Portal da Cidade de Humaitá será demolido, por decisão judicial

A Exma. Sra. Desembargadora Federal SELENE DE ALMEIDA acatou o pedido do DNIT local de Humaitá que solicitou na justiça a demolição do Portal Rio Madeira que foi construído na gestão do ex-prefeito Roberto Rui Guerra de Souza.

No pedido o DNIT/AM alega que solicitou a paralisação da obra em questão por diversas vezes ao gestor municipal, devido oferecer risco para a segurança dos usuários da rodovia e em franco desrespeito à legislação de regência, porém o ex-prefeito não acatou o pedido do órgão, e finalizou a obra que estar erguida no km 05 da BR 230.

A Desembargadora Federal SELENE DE ALMEIDA alega em seu agravo que a documentação fotográfica anexada aos autos dispensa dilação probatória, na medida em que permite verificar, de forma inequívoca, que a obra realizada pela municipalidade, construída à míngua de autorização e sem que houvesse a submissão do respectivo projeto ao DNIT, invade a faixa de domínio e non aedificandi da rodovia, colocando em sério risco a segurança dos que ali trafegam.

Com efeito, não é preciso ser perito e tampouco se deslocar até o local da edificação para constatar a realidade fática trazida a juízo. Basta uma simples visualização das fotografias do “monumento”. Evidencia-se, pela grande proximidade das colunas e fundações do portal com o bordo da pista, que a obra, encomendada pelo gestor municipal, foi erguida de forma irregular, em manifesta desobediência à legislação pertinente e ao regramento do DNIT.

É obrigação do Estado proteger a vida e integridade física de seus cidadãos, donde o dever que lhe incumbe de manutenção e conservação das rodovias federais. Nessa ordem de ideias, não se justifica, a pretexto de irreversibilidade da providência requerida, que se prossiga expondo a perigo a segurança dos usuários daquele trecho da rodovia.

Diante a decisão agravada, determino a demolição do “Portal da Cidade Humaitá/AM”, o que deverá ocorrer em no máximo 30 (trinta) dias, independentemente de qualquer recurso por parte do Município. Caso não seja cumprida a determinação no prazo estipulado, fica o DNIT autorizado a promovê-la e a efetuar a retirada dos entulhos, cuidando de colacionar aos autos os custos da operação, que deverão ser cobrados por ocasião da execução do julgado.

“Com esta determinação judicial, fica o povo de Humaitá ciente deste prejuízo do erário publico gasto na obra. O desperdício do dinheiro sera posto na conta do povo que mais uma vez, não foi ouvida cerca desta decisão”.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.