Messi sai do banco e é essencial no empate que garante o Barça na semi

Barcelona – Quem garantiu um espaço na estante para a gravação do jogo de terça-feira entre Borussia Dortmund e Málaga, vai ter que encontrar um espaço para colocar a de Barcelona e Paris Saint-Germain, na quarta.

Uma partida com vários ingredientes, em que o empate em 1 a 1 garantiu a sexta classificação seguido dos catalães para uma semifinal de Liga dos Campeões.

Para começar, Messi acabou ficando no banco de reservas do Camp Nou, ainda voltando de lesão. Nas arquibancadas, quase 100 mil pessoas, erros de defesas e jogadas geniais. E em campo, um Barcelona aguerrido, tradicional toque de bola e pressão no campo rival, e um PSG que estava longe de ser covarde. Foi para cima, mesmo quando tinha o placar ao seu lado. Um jogo aberto.

Sem Messi

Uma grande interrogação era sobre como o Barcelona iria se comportar sem a presença de Messi. Tito Vilanova optou pela alternativa mais lógica, colocou Fàbregas em seu lugar, para atuar como falso 9, assim como Messi joga.

A diferença foi que o espanhol, por várias vezes, ficava como um autêntico camisa 9, enfiado entre os zagueiros, e saía do meio das duas últimas linhas do PSG poucas vezes. Ele até jogou bem, fez bem o que foi proposto, mas o Barça ficou sem o desafogo que Messi costuma fazer, quando vai para trás e abre espaço para as infiltrações comuns dos companheiros.

Meio-campo diferente

Pelo PSG, a formação no meio-campo que foi bem diferente do que foi no primeiro jogo. Na ida, jogaram Beckham e Matuidi. O primeiro ficou no banco, já que foi vítima da correria desenfreada que o Barça causou em Paris, e o segundo estava suspenso. Jogaram Thiago Motta e Verratti, com novamente Lucas e Pastore completando.

O italiano foi um dos motores do meio-campo, dando várias opções, e fazendo Lucas correr. O brasileiro acabou sendo destaque, fez boas jogadas, driblou muito, e criou boas chances.

E a melhor oportunidade do primeiro tempo foi mesmo do PSG, após desarme inteligente de Lavezzi em cima de Busquets. Mas o argentino se embolou sozinho na arrancada. O Barça criou as chances normais dele, sufocou em alguns momentos, mas Sirigu não teve tantas dificuldades.

Gol cedo no segundo tempo e Messi em campo

No início do segundo tempo, um banho de água fria no Barcelona. Jogada rápida e inteligente no meio-campo, tabela entre Pastore e Ibrahimovic, e o argentino conseguiu arrancar. Quando chegou na área, finalizou bonito e abriu o placar.

Ironicamente, a torcida do Barça comemorou na sequência, pois Tito Vilanova colocou Messi para aquecer. Mas só 11 minutos depois que ele entrou, ao lado de Bartra, que teve que substiuir Adriano, improvisado na zaga, machucado.

PSG solto e Messi preso

E aconteceram duas situações diferentes do comum. Primeiro que Messi pouco corria, poupava-se o tempo todo, via-se que estava no sacrifício. E o PSG, ao contrário do Chelea do ano passado, por exemplo, não se fechou lá atrás quando conseguiu a vantagem no placar, e a classificação momentânea.

Mas mesmo se poupando, correndo o necessário, Messi foi Messi. Cinco minutos depois de entrar, criou a jogada do gol de empate. Conduziu a bola, tocou para Villa, que estava mais ou menos na marca do pênalti sendo marcado por meio time adversário, e deu um toquinho que tem o mesmo nível de sutileza quanto de genialidade para Pedro, que acertou grande chute de canhota.

Até o fim, jogo lá e cá, Beckham em campo com vaias da torcida, Barça tentou segurar, PSG para cima, boas chances dos dois lados, mas ficou no empate, que garantiu o Barça.

Na sexta-feira, sorteio para ver o chaveamento da semifinal.

FICHA TÉCNICA
BARCELONA 1X1 PARIS SAINT-GERMAIN
Local: Camp Nou, em Barcelona (ESP)
Data-hora: 10/04/2013, às 15h45 (de Brasília)
Árbitro: Björn Kuipers (HOL)
Auxiliares: Sander van Roekel (HOL) e Erwin Zeinstra (HOL)
Gols: Pastore (05’/2ºT), Pedro (25’/2ºT)
Cartões amarelos: Adriano (BAR), Lavezzi, Thiago Silva, Beckham (PSG)
Cartões vermelhos: não houve
BARCELONA: Valdés, Daniel Alves, Piqué, Adriano (Bartra, 16’/2ºT) e Alba; Busquets, Xavi e Iniesta; Fàbregas (Messi, 16’/2ºT), Villa (Song, 38’/2ºT) e Pedro. Técnico: Tito Vilanova
PARIS SAINT-GERMAIN: Sirigu, Jallet (Van der Wiel, 43’/2ºT), Alex, Thiago Silva e Maxwell; Thiago Motta, Verratti (Beckham, 37’/2ºT), Lucas e Pastore; Lavezzi (Gameiro, 35’/2ºT) e Ibrahimovic. Técnico: Carlo Ancelotti.

Fonte – Lancenet

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.