Menina haitiana continua na casa do pastor Sabino até a Justiça definir a guarda

Pastor Sabino C. Branco e o tio, lutam pela guarda da criança haitiana

 

Pastor Sabino C. Branco e o tio, lutam pela guarda da criança haitiana
Pastor Sabino C. Branco e o tio, lutam pela guarda da criança haitiana

Manaus – A polemica em torno do destino da menina haitiana de três, quem tem gerado uma grande polemica pela sua guarda em Manaus, envolvendo o ex-deputado federal e agora pastor evangélico Sabino Castelo Branco e um tio da criança, continua dando muito o que falar e dividindo a opinião pública, que na maioria, apoio que a criança fique com familiares.

Por decisão da Justiça, a criança, alvo da disputa, vai continuar com o pastor até que saia a decisão do processo que pede que a criança seja entregue à Vara da Infância e Juventude. A informação é do advogado de Sabino, Leonardo Toledano, presente em uma delegacia na tarde desta quinta-feira (14).

A defesa do ex-deputado e o tio da criança estiveram nesta quinta na sede da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e Adolescente (Depca). O tio da menina, Lucius Popoti, não quis falar com a imprensa.

A dona de casa Ana Cláudia Pires, que cuida da criança enquanto o tio trabalha, também compareceu à Depca. “O pai da menina disse que o Sabino está ligando para ele e pedindo autorização para ficar com a criança. O pai já negou”, disse.

Segundo ela, o pai da haitiana está no Ceará, enquanto a mãe continua no Haiti. Ana Paula disse que a menina veio para Manaus com uma tia para fazer uma cirurgia e, por falta de condições financeiras, apenas essa tia retornou para o Haiti, deixando a criança sob os cuidados de Lucius, que já morava na capital.

Empregado de Sabino

A cuidadora informou ainda que o tio da menina trabalhava em uma empresa de Sabino Castelo Branco. O haitiano também frequentava uma igreja onde o ex-deputado frequenta. Segundo Ana Cláudia, Sabino pediu que a menina passasse o fim de semana na casa dele. Era a primeira vez que isso ocorreria.

“Na terça-feira (12), nós fomos na igreja a convite dele para buscar a criança, mas a partir desse momento ele não permitiu mais que a criança viesse”, relatou. “[O Lucius] só entregou a criança para passar o fim de semana porque ficou constrangido em dizer não pro Sabino, que era patrão e pastor dele”, acrescentou.

Ana Cláudia voltou a afirmar que foi agredida pelo ex-deputado. “O Sabino tomou a criança bruscamente do meu braço. Inclusive, com a chave do carro que estava na mão dele, machucou meu braço e meu estômago”, acusou.

Maus tratos

A defesa do ex-deputado também continua a alegar que a menina sofria maus-tratos. “Ela estava debilitada, desnutrida. Lá na casa do Sabino, ela tem outras crianças e atenção”, defendeu.

Ana Paula rebateu a justificativa da defesa. “Nós temos testemunhas de que isso não é verdade, nem quando ela está comigo nem quando ela está com o tio. A gente pode não morar num palácio como [o Sabino] mora, mas onde ela vive ela não passa fome, não vive suja”, ressaltou.

A delegada Regiane Lacerda, da Depca, disse que agora o caso está nas mãos da Justiça. “A delegacia tomou todas as providências criminais e agora à tarde recebemos o advogado do Sabino trazendo uma decisão da Justiça para que ele entregue a criança na Vara da Juventude. Tem outras situações que não podemos entrar em detalhe por se tratar de uma criança”, comentou.

Amazonianrede

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.