Julho deve fechar com a visita de mais de 80 mil turistas em Belém

Ver-o-Pèso, uma das maiores atrações turísticas de Belém
Ver-o-Pèso, uma das maiores atrações turísticas de Belém
Ver-o-Pèso, uma das maiores atrações turísticas de Belém

Belém – Praias de água doce e a paisagem deslumbrante da flora do Pará somam-se ao calor do chamado ‘verão amazônico’. O cenário atrai turistas de toda a parte. De acordo com a Secretaria de Estado de Turismo (Setur), a expectativa é que cerca de 80 mil turistas passem pelo Estado durante o mês de julho, injetando algo em torno de US$ 20 milhões na economia local. O levantamento ouviu 2.220 turistas nos seis polos turísticos do Estado.

“A implementação de atividades turísticas é desenvolvida pelo Estado durante o todo o ano. O mês de julho recebe, sim, uma atenção especial, mas estruturar o turismo é uma prática constante da Setur”, diz o titular da secretaria, Adenauer Góes.

Ainda segundo o estudo, o sexo masculino representa 51% dos visitantes, com idades entre 18 e 35 anos. Cinquenta e quatro por cento são casados, 39% solteiros, 53% têm ensino superior completo, 52% ficam hospedados na casa de parentes ou amigos e 29%, em hotéis. Quanto às razões da viagem, 58% chegam ao Pará por indicação de parentes ou amigos, 18% por informações veiculadas na internet e 13% estimulados por agências de viagens.

Turistas na orla de Belem
Turistas na orla de Belem

Ainda sobre as razões de se conhecer o Estado, 52% dos turistas são motivados por lazer – dentro desse critério, 61% destacaram os atrativos naturais como maior incentivo para vir ao Pará. Para os turistas brasileiros que estiveram no Estado, os aspectos mais destacados são: cultura (57%), natureza (35%) e hospitalidade (22%). Desses visitantes, 88% manifestaram a intenção de voltar ao Pará e 93% recomendam o destino Pará a amigos e parentes.

Estrutura 

A presença de tantos visitantes na cidade é, na visão de Adenauer Góes, uma oportunidade ímpar para qualificar serviços dos mais variados setores ligados ao turismo, além de estruturar as redes hoteleira, gastronômica e de transportes, tão essenciais para o funcionamento da dinâmica de deslocamento, entretenimento e fidelização desse público, em todo o Estado. “O aumento do fluxo de pessoas permite que esses setores se organizem melhor e de forma mais permanente, não apenas no mês de julho”, complementa.

Praia de água dôce, em Belém
Praia de água dôce, em Belém

O alto índice de visitantes é constatado em visitas simples a locais que já se tornaram referencia turística importante, na capital. A Estação das Docas é uma delas. Foi por lá que o industrial Gerson de Oliveira, do Rio de Janeiro, começou mais um passeio por Belém.

“Dessa vez trouxe minha esposa, Indira Ribeiro, para conhecer a delícia que é essa cidade e, em especial, esse lugar”. Logo mais à frente, Alanderson Perdigão era outro que destacava os atrativos naturais e museológicos da Estação das Docas. “Sempre fiz escala em Belém, mas permanecer na cidade para conhecer as belezas é a primeira vez”, conta o autônomo, que é natural de Macapá (AP).

O fim de tarde também guarda outros atrativos paisagísticos no bairro da Cidade Velha. Um deles é o Forte do Castelo, que associa peso histórico, riqueza cultural e uma vista privilegiada para o rio. Foi lá que o estudante Murilo Ricarte, natural de Fortaleza (CE), conheceu, na companhia da namorada, um pouco da história da cidade. “Até agora, conheci pouca coisa em Belém, mas garanto que gostei muito do que vi. É uma cidade na qual voltaria outras vezes, sem sombra de dúvida”, revelou.

Policiamento turístico garante tranquilidade ao visitante Belém é uma capital recheada de locais atraentes para visitantes. Todas as janelas para o rio são paradas obrigatórias e o fluxo de turistas é alto. Para garantir a segurança dos turistas, a Companhia Independente de Polícia Turística (Ciptur) está de prontidão para responder por esse atendimento.

Segundo o subcomandante da companhia, capitão Cesar Carvalho, com o efetivo de 94 policiais eles monitoram os cartões postais da cidade. “Nossas ações se concentram no centro histórico, entre Complexo Feliz Lusitânia, Ver-o-Peso, Mangal das Garças, Parque da Residência, Polo Joalheiro, Theatro da Paz, Museu e Basílica, com ronda em nossas três viaturas.

O tucumã e o açaí, a espera dos turistas na capital paraense
O tucumã e o açaí, a espera dos turistas na capital paraense

Também temos postos fixos no aeroporto internacional, no terminal hidroviário e na Estação das Docas”, informa, destacando que o treinamento desses policiais é diferenciado, enfocando menor teor ostensivo.

“O atendimento que eles fazem é diferenciado, especializado. Cerca de 10% dos nossos policiais falam inglês fluentemente, além de que eles estão nos seus pontos não apenas pela segurança, mas também para dar orientação e assistência aos turistas, entrar em contato com consulado ou a Polícia Federal, caso seja necessário”, explica o capitão.

Em julho, a Ciptur se divide entre Belém e o reforço na operação de verão nos balneários. “Estamos sempre em ronda, mas em julho a movimentação é bem maior nos interiores, inclusive de turistas, por isso nos dividimos. Também estamos sempre em trabalho integrado a Secretaria de Turismo do Estado, que nos informa sobre a chegada de cruzeiros. Muitos navios ancoram aqui na capital, e sempre temos policiais próximos dos locais visitados pelos turistas que chegam nessas embarcações. É o que chamamos de operação transatlântico”, completa o subcomandante.

Amazo0nianarede-Aseessoria

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.