Acordo entre DPE e MP inicia o mutirão carcerário em Manaus

Compaj

 

Anísio Jobim, o maior presidio de Manaus

Manaus, AM – O presidente do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condege), Ricardo Batista, o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, e o defensor público geral da União, Carlos Eduardo Barbosa Paz, assinaram na noite de terça-feira, 31, o Acordo de Cooperação Técnica que permite a realização, em Manaus, do programa “Defensoria Sem Fronteiras”, uma força-tarefa de defensores públicos estaduais e federais que atua para dar celeridade à prestação de assistência jurídica.

A iniciativa integra o Plano Nacional de Segurança e a análise de processos e atendimentos nos presídios da capital do Amazonas começam na próxima segunda-feira, 6 de fevereiro.

O mutirão vai rever os processos de 5.600 de internos, entre homens e mulheres, condenados e provisórios, das unidades prisionais de Manaus. Segundo o Condege e a DPU, serão 56 defensores públicos de outros Estados e da União, que somarão força ao trabalho de 20 defensores públicos da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM). Em 10 dias úteis, o Defensoria Sem Fronteiras” pretende rever pelo menos 10 mil processos de nove unidades prisionais.

No caso dos provisórios, o objetivo é verificar se não há a possibilidade de aplicação de outras medidas restritivas de direitos que sejam alternativas à prisão, podendo resultar na elaboração de pedidos de relaxamento de prisão ou de liberdade provisória”, explica o defensor público geral do Distrito Federal e presidente do Condege, Ricardo Batista.

Cadeira |Publica, Raimundo Vidal Pessoa, em Manaus

Os defensores públicos, além de revisar os processos, ainda visitarão os presídios para entrevistar os detentos e verificar as condições de cumprimento da pena.  “Vamos analisar se há ou não a correta separação, como manda a Lei de Execução Penal, se estão sendo respeitados seus direitos fundamentais de acesso à educação, saúde, trabalho e se não há a violação de Direitos Humanos que possam ser denunciadas”, adiantou Riacardo Batista.

 

De acordo com o defensor público geral do Amazonas, Rafael Barbosa, o objetivo não é soltar presos indiscriminadamente e, sim, assegurar o direito dos detentos de terem seus processos revisados. Ele disse ainda que, durante o mutirão, serão colhidas informações para realização de um diagnóstico da população carcerária e da situação do sistema prisional na capital do Amazonas.

UP do Puraquequara

O diagnóstico elaborado pela Defensoria Pública será entregue ao Ministério da Justiça para ser utilizado na formulação de política de gestão do sistema penitenciário e colaborar com novos mutirões que possam vir a acontecer.

O Acordo de Cooperação Técnica tem validade de dois anos, o que facilita ter novas forças-tarefas em outros Estados, se forem solicitadas e de acordo com a necessidade, avaliada pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Também estiveram presentes na assinatura do Acordo, em Brasília, o diretor geral do Depen, Marco Antonio Severo Silva; o corregedor geral do Depen, Paulo Rodrigues da Costa; a ouvidora Nacional dos Serviços Penais, Maria Gabriela Viana Peixoto; o presidente da Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep), Joaquim Gonzaga de Araujo Neto e a presidente da Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef), Michelle Leite de Souza Santos

Amazonianarede

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.