Tribuna Jaraqui discute decisão do MS em contratar médicos estrangeiros

Manaus – A tribuna popular do Jaraqui instalada todos os sábados das 10 às 12h, na Praça Heliodoro Balbi, na República Livre do Pina, no Centro Histórico de Manaus, pautou para este sábado (15) uma ampla discussão sobre a decisão do Ministério da Saúde de contratar 6 mil médicos estrangeiros – da Espanha, de Cuba e de Portugal – para trabalhar no interior do Brasil, desconsiderando o processo de Revalidação dos Diplomas Médicos expedidos pelas Universidade estrangeiras (Revalida).

A Revalidação requer que os médicos façam uma prova para avaliar os conteúdos curriculares que foram apreendidos no curso de sua formação. O Revalida é aplicado tanto para os estrangeiros como também para os brasileiros que se formam no exterior. Segundo a proposta do governo federal, os médicos contratados teriam atuação restrita ao interior do País e contariam com um registro provisório de 3 anos, podendo depois realizar a validação do diploma ou voltar para os seus países de origem.

A discussão é nacional. Contudo, pode-se comprovar que no interior do Amazonas e em alguns hospitais particulares de Manaus a presença de médicos estrangeiros clinicando já virou rotina.

O debate promete ampla repercussão porque além de abordar a questão da contratação dos médicos estrangeiros deverá se discutir também a qualidade do serviço prestado a população do Amazonas visto que tanto na capital como nos demais municípios do estado a grita é geral por melhorias no serviço de saúde seja em atenção às condições de internamento, como também quanto às atrocidades ocorridas no processo de intervenção médica.

A indignação é grande e desmedida por parte da população que depende unicamente do Sistema Único de Saúde. Para a minoria, os mais abastados, segundo eles, o melhor remédio é pegar um avião e buscar atenção em outras paragens, bem longe do Amazonas porque “por aqui conta-se mais com sorte do que com o dever do Estado.”

Foram convidados para os debates o Sindicado dos Médicos do Amazonas, o Conselho Regional de Medicina, os representante dos trabalhadores da saúde, os centros acadêmicos das universidades públicas e privadas, diretores e professores das Faculdades de Medicina do Estado, parlamentares e demais lideranças sócias.

Ainda recentemente, o Ministério da Saúde informou que para ter um número adequado de médicos por habitante equivalente a 2,7 médicos para grupo de mil pessoas, o Brasil precisa de 164 mil profissionais.

Tratando-se da interiorização, o Conselho Federal de Medicina defende que adoção de uma carreira de estado para a categoria, matéria que já vem sendo discutida a partir da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 454/09).

Defende também o Conselho, a realização de concurso público imediato para o preenchimento dessas vagas que o Ministério quer completar com médicos estrangeiros. Visto que: “Quando o mercado não leva o médico, o governo tem que fazer um investimento público para que ele possa atender a população. É isso que nós estamos propondo: que haja uma solução emergencial e que após seja consolidada a carreira de Estado para o médico do Brasil.”

A discussão esta posta, com a palavra os indignados na perspectiva de formular novas políticas de saúde, em respeito à população do nosso Amazonas.(Fonte: TPJ).

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.