Será inaugurado primeiro prédio na região norte para armazenamento de materiais radioativos

Inpa - Manaus
Inpa – Manaus

Manaus – O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) inaugura, nesta terça-feira (22), a estrutura física do Prédio de Armazenamento para Materiais Radioativos (Pamrad). Este é o primeiro prédio da região Norte com capacidade de armazenagem inicial de materiais e dejetos radioativos inerentes às atividades de pesquisas nos laboratórios do Instituto que utilizam substâncias radioativas (os chamados radionuclídeos) em quantidades superiores aos limites de isenção especificados em norma própria da Comissão Nacional de Energia Nuclear(Cnen).

A inauguração será às 9h, no Campus I do Inpa, na Av. Otávio Cabral, s/nº – Petrópolis (zona Centro-Sul de Manaus). Com a inauguração do Pamrad, o Inpa torna-se referência no Norte do Brasil neste tipo de armazenamento, garantindo o confinamento seguro desses materiais radioativos pelo tempo necessário à proteção do homem e do meio ambiente.

Para o diretor do Inpa, Adalberto Luis Val, o Serviço de Radioproteção no instituto é uma ferramenta de vital importância à disposição dos pesquisadores do Inpa para continuarem a ser competitivos na fronteira do conhecimento científico. “Organizar e manter um Serviço de Radioproteção no Inpa é mais um avanço da instituição que definitivamente se consolida por meio de ferramentas de última geração no estudo da biodiversidade amazônica”, disse Val.

O prédio da Pamrad atenderá às necessidades dos diversos grupos de pesquisas de diferentes laboratórios do instituto, que já manifestaram a intenção de trabalhar com materiais radioativos ou equipamentos emissores de radiação ionizante em suas pesquisas. Desse modo, esses laboratórios passarão a ser denominados, futuramente, de Instalações Radiativas licenciadas pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen).

Dejetos radioativos são materiais produzidos em laboratórios, hospitais, usinas nucleares, centros de pesquisas, entre outros, e que não têm mais utilidade (mas que podem às vezes ser reciclados) e não podem ser “jogados fora” ou “no lixo”, por causa das radiações perigosas que emitem.

Custos

A técnica em Materiais Radioativos do Inpa e supervisora técnica do Serviço de Radioproteção, Zenaide Aparecida Figueiredo, explica que a construção do prédio teve um custo de R$ 444.100,00, recursos oriundos do Projeto Grandes Vultos. O prédio foi projetado obedecendo às legislações e normas nacionais e internacionais, como da própria Cnen e da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Conforme Zenaide, o prédio possui uma arquitetura própria para a sua finalidade: as paredes possuem espessuras específicas, cantos arredondados, o piso foi concebido com uma base diferenciada de modo que não permita infiltrações, e as pinturas foram feitas com tintas especiais. “O prédio também possui um sistema de contenção de água servida próprio e diferenciado. Não será descartado nenhum tipo de material radioativo no meio ambiente, ficando retido no próprio Inpa”, explica a técnica.

Segundo ela, os laboratórios do Inpa, depois de licenciados pela Cnen, passarão também a ser geradores de dejetos radioativos.

Mas para que isso aconteça de modo seguro é preciso haver o Gerenciamento de Rejeito Radioativo. Estes materiais serão embalados adequadamente, de acordo com o tipo de emissão de cada partícula radioativa, devidamente identificados e encaminhados ao Pamrad.

A técnica conta que haverá um agendamento para encaminhar os materiais radioativos para a armazenagem. “Cada laboratório agendará o envio desses materiais ao Pamrad”, diz Zenaide informando que o prédio deverá entrar em funcionamento total no segundo semestre deste ano, tendo em vista que a aquisição dos equipamentos necessários ainda está em processo de licitação.

Ela esclarece que quando esses dejetos chegarem a um determinado nível de ocupação do prédio serão encaminhados a um depósito autorizado pela Cnen. No Brasil, existem depósitos autorizados em Recife, São Paulo, Rio de Janeiro.

De acordo com a técnica, um trabalho de orientação está sendo desenvolvido, desde 2013, com os responsáveis pelos laboratórios do Inpa, quanto à proteção radiológica aos que vão trabalhar com materiais radioativos, mesmo em pequenas quantidades, mas que fazem parte de seus estudos, como o carbono 14 (14C), o hidrogênio 3 (3H) e o cálcio 45 (45Ca), dentre outros. “Para utilizar materiais radioativos, hoje, no Brasil, existem normas editadas pela Cnen que precisam ser atendidas”, complementou.

Amazonianarede – Ascom Inpa, por Luciete Pedrosa

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.