Seminário abre dia 6 discussão para produção integrada de guaraná no Amazonas

Amazonianarede/Embrapa

Manaus – Para discutir os entraves e buscar o encaminhamento de possíveis soluções para implementar a Produção Integrada na cultura do guaraná no estado do Amazonas, representantes de várias instituições envolvidas com o setor agrícola, além de produtores e técnicos interessados nessa cultura, estão sendo chamados a participar do “Seminário Produção Integrada de Guaraná no Amazonas”.

Com o tema “Componentes Tecnológicos de Suporte à Produção Integrada”, o seminário será realizado nos dias 6 e 7 de novembro de 2012, das 8h às 18h no auditório da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), no bairro Distrito Industrial, em Manaus (AM).

A Produção Integrada, com base na definição do Ministério da Agricultura, está focada na adequação de sistemas produtivos para geração de alimentos e outros produtos agropecuários de alta qualidade e seguros, mediante a aplicação de recursos naturais e regulação de mecanismos para a substituição de insumos poluentes, garantindo a sustentabilidade e viabilizando a rastreabilidade da produção agropecuária.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental, Lucio Pereira Santos, coordenador do seminário, atualmente existem poucos subsídios e tecnologias para implantar a produção integrada no Amazonas, o que tem dificultado e até mesmo inviabilizado esse processo. “Algumas dessas tecnologias estão em fase de desenvolvimento, como aquelas relacionadas ao estabelecimento de um novo maquinário e um novo processo de preparo e beneficiamento das sementes de guaraná para a indústria”, informa.

O pesquisador destaca que vem sendo desenvolvidas pesquisas com potencial para elevar o grau de tecnologia no processo produtivo da cultura, como as práticas de correção do solo pela calagem, condicionamento do solo pelo gesso agrícola, entre outras pesquisas que são inéditas para a cultura do guaranazeiro.

Por isso, segundo o pesquisador Lucio Santos, a motivação para o seminário é envolver diferentes órgãos e técnicos para buscar soluções para os principais entraves, além de apresentar informações preliminares das pesquisas realizadas sobre a cultura e discutir a viabilização do acesso a insumos (fertilizantes e corretivos) no Estado do Amazonas, uma vez que a logística de compra em outros estados encarece muito os produtos tornando-os de difícil acesso ao produtor, especialmente àqueles de base familiar, que não possuem recursos financeiros para essa aquisição.

Programação do Seminário

A programação será desenvolvida a partir de quatro painéis temáticos que contarão com palestras e debates. Os interessados poderão fazer o credenciamento, gratuitamente, a partir de 8h, no local do evento.

O painel 1, ocorre de 9h30 às 12h, de terça-feira, 6, com o tema Produção Integrada e Certificação, tendo como moderador Klerisson Santana, da Superintendência Federal de Agricultura no Amazonas.

O coordenador do Projeto Semeando o Bioma Cerrado, José Rosalvo Andrigueto, vai expor sobre a “Produção Integrada na União Europeia: exigências de mercado e comercialização de produtos certificados”. A chefe da Divisão de Fruticultura da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Rosilene Freitas Souto, vai apresentar um panorama da situação atual e perspectivas da Produção integrada no Brasil.

Já o pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura, José Eduardo Borges de Carvalho, vai apresentar a experiência do projeto de Produção Integrada de Citros no Amazonas e indicar subsídios aplicáveis ao guaranazeiro.

O painel 2 acontece de 14h às 16h30 e tem o tema “Tecnologias alternativas de “Produção Limpa” desenvolvidas pela Embrapa e seus impactos sobre a sustentabilidade”, cujo moderador é o chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Amazônia Ocidental, André Atroch.

Os três palestrantes também são pesquisadores da Embrapa Amazônia Ocidental. O pesquisador Firmino José do Nascimento Filho, apresentará a palestra “Domínio da técnica de clonagem, produção de mudas e desenvolvimento de cultivares superiores: o primeiro passo para a sustentabilidade da cultura”. O pesquisador José Clério Rezende Pereira, vai expor sobre as “Cultivares clonais de guaranazeiros resistentes às doenças “antracnose” e “complexo superbrotamento”: produção limpa e sustentabilidade”.

O pesquisador Adauto Maurício Tavares vai discorrer sobre a situação atual, as perspectivas e potencialidades do Manejo integrado do tripes, inseto que ataca o guaranazeiro.

Na quarta-feira, 7, o painel 3 traz, pela manhã de 9h às 12h30, o tema “Tecnologias inovadoras de suporte à certificação e suas interfaces com a política geral de produção rural do Estado do Amazonas”, tendo como moderador José Eduardo Borges de Carvalho, da Embrapa Mandioca e Fruticultura.

A primeira palestra será apresentada pelo pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental, Lucio Pereira Santos, sobre “Processo inovador do segmento pós-colheita. Práticas de calagem e gessagem e seus reflexos na nutrição e produtividade do guaranazeiro”.

A secretária executiva da Secretaria de Estado de Mineração, Geodiversidade e Recursos Hídricos do Amazonas , Jane Freitas de Góes Crespo, vai expor sobre impactos econômicos, sociais e ambientais da mineração de calcário na reserva de Jatapu, no município de Urucará (AM) e de silvinita (potássio) nos municípios de Nova Olinda do Norte e Itacoatiara (AM). O secretário de Estado da Produção Rural do Amazonas, Eron Bezerra, vai expor sobre a “Política estadual de incentivo à produção de guaraná com enfoque sustentável: uma ação do “Programa Amazonas Rural”.

À tarde, a partir das 14h ocorre o quarto e último painel que vai abordar os “Gargalos tecnológicos para a certificação: registro e regulamentação de agrotóxicos”, tendo como moderador o pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental Orlando Paulino da Silva. Nesse painel serão apresentadas palestras sobre as diversas abordagens a respeito a regulamentação de agrotóxicos para culturas com pequeno suporte fitossanitário.

O vice-presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Agrícola (Sindag), José Roberto Da Ros, vai expor sobre a visão da indústria. O coordenador-Geral de Avaliação e Controle de Substâncias Químicas, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Márcio Rosa Rodrigues de Freitas, vai expor sobre a perspectiva desse órgão federal.

O especialista em Regulação e Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, José Nilton Carneiro de Lima, vai apresentar o tema sob o ângulo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). E por último será apresentada a visão da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) sobre o tema.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.