Princesa vence e dorme encostado no líder Rio Branco-AC pela Série D

Quase lá
Quase lá
Quase lá

Manaus – O time de Manacapuru conquistou um triunfo satisfatório ao derrotar por 2 a 1 o Atlético-AC, com gols da dupla de ataque Somália e Branco.
Com uma segunda vitória seguida pela Série D do Brasileirão em quatro jogos depois dos tropeços inicias, o Princesa do Solimões saiu do Estádio Ismael Benigno (Colina), na noite deste sábado (9), encostado no líder Rio Branco-AC, que ainda joga neste domingo (10) contra o lanterna Genus-RO. Ambos estão empatados em sete pontos ganhos pelo Grupo A1, mas o Estrelão leva vantagem no saldo de gols (3 a 2).

Diante de um público pagante frustrante na Colina para as expectativas da diretoria do Tubarão, dos cinco mil ingressos postos à venda 663 torcedores compraram os bilhetes encarecidos (R$ 30 inteira), o time de Manacapuru conquistou um triunfo satisfatório ao derrotar por 2 a 1 o Atlético-AC, com gols da dupla de ataque Somália e Branco.

Para sair da zona de classificação da chave à segunda fase da Quarta Divisão, o Princesa precisaria ser ultrapassado, pelo critério de saldo de gols, pelo Santos-AP. O time amapaense tem quatro pontos e para tirar o posto da equipe do Alto Solimões teria que derrotar por três gols de diferença neste domingo, fora de casa, o São Raimundo-RR, que será o próximo adversário do Tubarão, no outro domingo (17), em Boa Vista, Roraima.

Dever de casa do Princesa cumprido, a cúpula do clube do interior pensa em mudanças nos dias e horários dos jogos em Manaus para tentar atrair mais torcedores. “Foi uma inovação (jogar no sábado à noite). Uma tentativa de procurar dar mais conforto ao torcedor devido ao sol, porque a Colina não tem cobertura (nas arquibancadas) e ao mesmo tempo sair da concorrência (das partidas do Brasileirão) da TV. Se a tentativa não for válida, vamos voltar para o horário de domingo (à tarde) e expondo o torcedor ao sol. Infelizmente, estamos fora de casa e a massa manacapurense não está presente devido a distância e despesas”, comentou o diretor de futebol do Princesa, Raphael Maddy, que praticamente confirmou o regresso dos jogos do clube aos domingos após ver a baixa presença do público e a renda de R$ 14.775,00.

Conciliações com a torcida à parte, o Tubarão não tem mantido um bom aproveitamento nas finalizações dentro de campo, como o próprio técnico Charles Guerreiro voltou a reclamar. “As oportunidades apareceram, só faltou caprichar um pouco mais no primeiro e segundo tempos. Foi um jogo equilibrado e jogamos bem no primeiro tempo, mas se tivéssemos feito mais um gol jogaríamos com tranquilidade”, declarou Guerreiro, que não acredita em mau condicionamento físico dos jogadores para o baixo rendimento na etapa complementar.

Autor do primeiro gol da vitória, o centroavante Somália acredita que os erros de passes e finalizações perdidas contribuíram para um desgaste do time do Princesa na volta do intervalo. “O placar de 2 a 1 é arriscado, mas, graças a Deus, mantivemos a média”, afirmou.

Tubarão na frente

Em apenas dois minutos de bola rolando, o Atlético-AC conseguiu se infiltrar na defesa do Princesa e quase abriu o placar no Estádio da Colina. O lance de maior perigo foi com o lateral-direito Ley. Ele recebeu cruzamento pela esquerda do atacante Gessé e chutou por cima do travessão. O Tubarão teve uma chance melhor com o volante Rondinelle, aos três minutos, que sozinho diante do goleiro Douglas chutou fraco para a defesa do arqueiro do Galo Carijó.

Mas a oportunidade mais clara de gol perdida pelo Princesa seria protagonizada pelo atacante Branco, artilheiro do clube de Manacapuru na Série D. Aos dez minutos, o zagueiro do Atlético, Marquinhos Costa, furou na hora de cortar e a bola sobrou para o meia Michel Parintins, pelo lado direito, que cruzou para Branco acabar chutando para fora.

O Tubarão continuava com as melhores chances de gols. Aos 13 minutos, o lateral-esquerdo Clayton He-Man tentou um gol de cobertura e goleiro Douglas apenas segurou a bola com tranquilidade. Dois minutos depois deste lance, aos 15 minutos, o zagueiro Lídio cobrou com bastante perigo uma falta e o arqueiro do Atlético Acriano bem atento afastou a ameaça.

Aos 17 minutos, o atacante Branco chutou na meta do ângulo esquerdo do goleiro Douglas e a bola rebateu na lateral da trave, mas Somália pegou o rebote e provou que desencantou mesmo ao fazer de peixinho 1 a 0 para o Princesa. Nos 12 minutos seguintes, o time do Alto Solimões pressionou mais para ampliar o placar. E aos 29 minutos, o meia Flamel avançou rápido, pela direita, e no cruzamento da bola para finalizar no gol acabou frustrado pela zaga do Galo Carijó e novamente numa sobra de bola foi a vez de Branco balançar as redes adversárias. Princesa 2 a 0.

Com mais domínio, o Tubarão poderia ter construído um placar mais elástico. Aos 37 minutos, Flamel conseguiu outra finalização e, cara a cara com o goleiro do rival do Acre, Douglas levou a melhor com uma precisa defesa. E aos 40 minutos, o lateral-direito Delciney pegou a bola, de um cruzamento pela esquerda, e cabeceou para fora para lamento dos torcedores.

O Atlético ainda deu um susto, aos 41 minutos, quando o volante Araújo Goiano acertou a bola na lateral da trave no ângulo direito do goleiro do Princesa, Paulo Wanzeler. A reação do adversário terminou e a equipe de Manacapuru entrou no intervalo com a vitória parcial garantida.

Logo no início do segundo tempo, o Princesa com menos de um minuto de bola rolando já deu trabalho para o goleiro Douglas com um chute do meia Michel Parintins. Mesmo redimido pelo gol marcado na etapa inicial, o atacante Branco mostrou irregularidade de novo em campo ao desperdiçar um gol feito. Aos quatro minutos, Somália repassou livre de qualquer marcação a bola para Branco, que driblou o goleiro Douglas apenas para chupar para fora pela lateral.

Aos 17 minutos, Branco acabou substituído por Edinho Canutama, que com agilidade e apenas alguns segundos em campo infernizou a defesa do Galo Carijó, com um cruzamento ameaçador pela esquerda. Mas aos 19 minutos, a defesa do Princesa falhou e abriu brecha para o Atlético Acriano descontar com Josy num belo gol de cobertura perto da pequena área: 2 a 1.

O Tubarão seguia frágil no setor defensivo e o Atlético começou a partir mais para os contra-ataques. O técnico do time acriano, Zé Marcos, que na época de jogador defendeu clubes do Amazonas como Rio Negro e Nacional, tentou sacar o zagueiro Ceildo, porém, quem saiu para última substituição do adversário foi o parceiro dele de zaga, Marquinhos Costa, reclamando de dores, e trocado pelo meia-atacante Neném para buscar mais ofensividade.

Nos minutos finais, o Princesa só tentava evitar o gol do empate do Galo Carijó e arriscava poucas finalizações com Edinho Canutama, Michel Parintins e Somália. Para sorte do Tubarão, o Atlético Acriano não conseguiu aproveitar as oportunidades claras de gols. Triunfo assegurado do anfitrião.

Ficha Técnica
Princesa 2 x 1 Atlético Acriano
Princesa: Paulo Wanzeler; Delciney, Lídio, Leandro Camilo e Clayton He-Man; Rondinelle (Deurick), Amaral, Flamel (Lourinho) e Michel Parintins; Somália e Branco (Edinho Canutama). Técnico: Charles Guerreiro
Atlético-AC: Douglas; Ley, Marquinhos Costa (Neném), Ceildo e Esquerdinha (Jefferson); Wilson, Araújo Goiano e Ismael (Eduardo); Ailton, Josy e Gessé. Técnico: Zé Marcos
Estádio: Ismael Benigno (Colina), em Manaus
Árbitro: Mayron dos Reis Novais (MA)
Público: 663 pagantes/981 presentes
Renda: R$ 14.775, 00

Por: Diogo Rocha / [email protected]

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.