Plano Norte de CT&I avança com a proposta de criação de programas de desenvolvimento

Foto - Ricardo Oliveira
Foto - Ricardo Oliveira
Amazonianarede/Agecom

Manaus – A apresentação de propostas para o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação na região Norte marcou a primeira reunião para definição do Plano Norte de CT&I, ocorrida em Manaus na manhã desta segunda-feira (29). O encontro reuniu o ministro de Ciência e Tecnologia e Inovação, Marco Antônio Raupp, secretários estaduais da área e os presidentes de Fundações de Amparo às Pesquisas da região Norte.

O ministro avaliou positivamente o encontro e disse que o próximo passo é sistematizar as propostas e realizar uma nova reunião para definir ações concretas. Segundo Raupp, a obtenção de um entendimento comum entre as instituições é fundamental para uma parceira de longo prazo visando o desenvolvimento de ações para a Amazônia, sempre de forma cooperada entre Estado e Governo Federal. Entre as propostas apresentadas, destacaram-se o estabelecimento de cotas de recursos para a Amazônia e o incentivo à implantação de parques tecnológicos na região.

“O objetivo é consolidar e definir um programa de atuação de médio e longo prazos”, disse o ministro. Ele adiantou que a expectativa é começar a financiar projetos que forem selecionados a partir de janeiro. ”Não queremos pensar no futuro da Amazônia e sim, no presente”, ressaltou.

A iniciativa de realizar a reunião, que partiu do ministro Raupp, vai ao encontro do que o Conselho Nacional de Secretários de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti) e o Conselho Nacional das Fundações de Amparo às Pesquisas (Confap) vêm articulando, com a pretensão de elaborar um grande plano de CT&I para a região Norte numa perspectiva de 30 anos.

Um olhar para a Amazônia

Para o secretario de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas e presidente do Consecti, Odenildo Sena, a reunião é histórica, pois a iniciativa partiu do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) para discutir ações emergentes para a região Norte. “Isso nos abre uma expectativa enorme, pois a vinda do ministro Raupp nos mostra sua determinação de romper ou começar a romper esse paradigma de isolamento na área de CT&I”, afirmou.

Segundo Sena, a reunião foi um ponto de partida para debate dos projetos desenvolvidos na Amazônia. “Quando exigimos mais recursos para CT&I, fazemos não se esquecendo do mérito. Aqui estão vários representantes da região Norte e o interesse é pensar a Amazônia como um todo, ou seja, nós estamos defendendo o interesse de apresentar projetos de qualidade”, comentou.

Sobre o Plano de CT&I, Sena afirmou a intenção de se montar uma proposta numa perspectiva de 30 anos. “Nós queremos um plano de 30 anos que possa representar um legado para a região Amazônica. Que o plano possa representar uma confluência de ações que venham, de fato, contribuir para o desenvolvimento da região que todos a consideram da maior relevância, mas que o Brasil continua dando pouca importância”.

Áreas estratégicas

De acordo com Raupp, todos querem maior infraestrutura para pesquisa como as áreas da biodiversidade e de biotecnologia. “Ter centros importantes de biotecnologia são fundamentais. Esses centros não somente estimulam o desenvolvimento da ciência da região, mas estimulam a capacitação de empreendedores, que possam, a partir do conhecimento, desenvolver produtos para a geração de renda na própria região”, afirmou.

Para a diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Maria Olivia Simão, a reunião serve para definir as ações prioritárias, num tempo plausível. “Para nós, sobrou um legado que é desenvolver de forma sustentável nossa região, mas os modelos que estão vigentes não nos servem. Precisamos de investimentos para criar massa crítica bem formada para pensar novas soluções. Para aliar desenvolvimento social, econômico e a conservação da floresta amazônica, que é um legado para o Brasil e para a humanidade mundial”, afirmou.

Participaram representantes da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), das instituições federais de pesquisa, como o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e do próprio MCTI.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.