PF desarticula FDN, prende 96 pessoas e transfere líderes para presídios federais

PF faz 96 prisões em Manaus e desarticula facção criminosa
PF faz 96 prisões  em Manaus e desarticula facção criminosa
PF faz 96 prisões em Manaus e desarticula facção criminosa

Amazonas – A Polícia Federal prendeu 96 pessoas em Manaus e em quatro Estados, entre elas sete advogados e um vereador, membros da facção criminosa Família do Norte (FDN). Durante a operação La Muralla, que ocorreu no Brasil e em quatro países da região fronteiriça, todos os líderes da organização, como o criador da FDN, José Roberto Fernandes Barbosa, o “Zé Roberto”, foram transferidos para os presídios federais. Quase R$ 1 milhão e 25 carros de luxo foram apreendidos na ação.

O superintendente regional da Polícia Federal, Marcelo Rezende, afirmou que o objetivo da operação era desarticular a FDN, que atua em várias camadas no mundo do crime, inclusive no tráfico internacional de armas e drogas.

Entre os crimes estão, também, homicídios, sequestros, tortura, extorsão, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e corrupção de agentes públicos. O bando pretendia lançar candidaturas na política local. “Os líderes da facção coordenavam os crimes ocorridos na cidade de dentro da cadeia.

Eles estão ligados a pelo menos 30 homicídios, dos 37 registrados entre os dias 17 e 18 de julho. Eles comandam quase todos os crimes cometidos no Amazonas”, disse o superintendente.

Ainda segundo o delegado, o propósito da operação era desmantelar o poder que os traficantes tinham dentro dos presídios. “Além de advogados, os agentes públicos também estão envolvidos na quadrilha, uma vez que recebiam dinheiro para facilitar os trâmites que favoreciam a facção dentro dos órgãos públicos. Nós ainda não temos a informação de envolvimento de policiais na organização”, afirmou o delegado.

De acordo com a polícia, na casa dos traficantes – cujos locais não foram repassados – foram apreendidas armas, drogas, 25 carros de luxo e uma motocicleta, além de R$880 mil e 700 dólares.

A operação de âmbito nacional e internacional ocorreu também nas cidades de Tonantins, Tabatinga, Crateús, Caucaia e Fortaleza, todas no Ceará, além de Boa Vista (RR) e no Rio de Janeiro (RJ). A ação teve o apoio da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol), onde os agentes percorreram os países de Peru, Colômbia, Venezuela e Bolívia.

Transferência

Entre os líderes da facção que foram transferidos para os presídios federais, estão o chefe da organização José Roberto Barbosa, o “Zé Roberto da Compensa”, Alan de Souza Castimário, o “Nanico”, e seus xerifes, Cleomar Ribeiro, o “Copinho”, Marcos Roberto Miranda da Silva, o “Marcos Pará”, Francisco Álvaro Pereira, o “Bicho do Mato”, “Moçambique”, e Jaime o “Machimba”.

Outros líderes do tráfico da FND Geomison de Lira Arantes, o “Roque”, e “Giba” foram preso dentro de suas residências. Um dos fundadores da FDN, Gelson Carnaúba, que já está preso em um presídio federal, irá responder por mais crimes como o tráfico internacional de drogas. O filho de “Zé Roberto”, o ex-presidiário Luciano da Silva Barbosa, não foi localizado ontem e está foragido.

Ainda segundo a polícia, três colombianos foram presos em Tabatinga (AM) e um advogado, cujo nome não foi divulgado) foi detido no Ceará envolvido com o crime organizado do Amazonas.

Defensores 

Apontados pela polícia como membros da FDN, uma vez que eles disponibilizavam suas contas bancárias para serem usadas por traficantes, onde o dinheiro vindo do tráfico era movimentado, seis advogados foram presos em Manaus e um no Ceará.

Rosângela Amorim da Silva, Aldemir da Rocha Silva Júnior, Luiz Sérgio Vieiralves Donato Lopes Filho, Lucimar Vidinha Gomes e Janderson Fernandes Ribeiro foram autuados pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa. Conforme a Polícia Federal, os advogados foram descobertos depois de terem sido flagrados em escutas telefônicas negociando com os líderes da facção criminosa.

De acordo com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cristian Naranjo, a defesa vai trabalhar para que os advogados possam ficar detidos em prisão domiciliar, uma vez que o Comando de Policiamento Especializado (CPE) estão com suas celas lotadas. “Não há o que se discutir sobre as provas que a polícia apresentou. Mas como advogados não podem ser transferidos para um presídio comum, por conta disso, acho que possam ficar em casa com monitoramento”, explicou.

Amazonianarede

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.