O passo a passo das investigações de abuso sexual contra João de Deus, que vai começar

O passo a passo das investigações de abuso sexual contra João de Deus, que vai começar

Segundo o MP-GO, em 7 horas, 40 mulheres denunciaram ter sido vítimas do médium durante atendimentos em Abadiânia. João de Deus nega as acusações.

 Brasil – Os promotores de Justiça que integram a força-tarefa formada para investigar as denúncias de abusos sexuais que teriam sido cometidos pelo médium João de Deus afirmam que, no momento, o foco é colher os depoimentos das mulheres e dar suporte a elas.

“É necessário a divulgação desta força-tarefa apra que as vítimas percam o temor, o sigilo desse depoimento será mantido, a vítima não será exposta e, se necessário, providenciamos segurança para elas”, disse o promotor Luciano Miranda Meireles, que integra a operação.

As denúncias podem ser feitas pelo telefone do Ministério Público de Goiás – 3243-8000 – ou pelo e-mail criado exclusivamente para as denúncias: [email protected]

O advogado Alberto Toron, que defende o médium, afirmou que o cliente nega as acusações e que ele está à disposição da Justiça para.

O jornal “O Globo”, a TV Globo e o G1 têm publicado nos últimos dias relatos de dezenas de mulheres que se sentiram abusadas sexualmente pelo médium. Não se trata de questionar os métodos de cura de João de Deus ou a fé de milhares de pessoas que o procuram.

 Veja como se dará a força-tarefa:

  • Registrar as denúncias;
  • Agendar os depoimentos;
  • Reunir os depoimentos de Goiás com os de outros estados;
  • Embasar o procedimento investigatório criminal;
  • Intimar e interrogar João de Deus.

A força-tarefa foi iniciada na segunda-feira (10). O promotor Steve Gonçalves Vasconcelos, de Alexânia, está atuando em Abadiânia em substituição à titular da promotoria, Cristiane Marques, que está de férias, e ficará focado na investigação dos casos.

Os demais integrantes da força-tarefa ficarão a cargo de colher depoimentos e entrar em contato com promotores de outros estados.

Aumenta o número de mulheres que procuraram polícia e MP para denunciar João de Deus

Compõem a força-tarefa:

 Promotores:

  • Luciano Miranda Meireles – coordenador do Centro de Apoio Operacional (CAO) Criminal;
  • Paulo Eduardo Penna Prado – subcoordenador do CAO Criminal;
  • Patrícia Otoni Pereira – coordenadora do CAO dos Direitos Humanos;
  • Steve Gonçalves Vasconcelos – promotor substituto da promotoria de Abadiânia;
  • Gabriella de Queiroz Clementino – integrante do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Psicólogas:

  • Liliane Domingos Martins
  • Lícia Nery Fonseca

Depoimentos agendados

Na segunda-feira, 40 mulheres entraram em contato com o MP-GO se identificando como vítimas de abusos sexuais cometidos pelo médium João de Deus.

Segundo os promotores, 35 dos relatos foram feitos pelo e-mail e, os demais, por telefone. Os depoimentos delas devem ocorrer até o fim desta semana.

Os promotores informaram também que há depoimentos agendados para esta terça-feira (11) em São Paulo e Minas Gerais.

A promotora Gabriela Manssur, de São Paulo, conta que, depois que as denúncias foram exibidas no programa Conversa com Bial, da TV Globo, já foi procurada por mais de 200 mulheres que também fazem relatos semelhantes.

Apesar da possibilidade de os depoimentos serem colhidos em outras cidades, a investigação ficará a cargo da promotoria de Justiça de Abadiânia, onde João de Deus realiza os atendimentos e os crimes teriam ocorrido.

Conforme relatos colhidos até esta segunda-feira, os abusos sexuais teriam ocorrido desde a década de 80 até outubro do ano passado.

O MP-GO informou que já existiam denúncias contra João de Deus desde 2010. Em 2012, ele chegou a ser julgado por abuso sexual, mas foi inocentado por falta de provas.

Meireles informou ainda que “há notícias de crimes de outra natureza”, mas ainda não irá informar quais são enquanto não tiver algo concreto. Os funcionários da Casa Dom Inácio de Loyola também podem ser investigados.

“A gente tem que analisar se houve crime por parte dos funcionários, se algum tiver auxiliado de alguma forma, ele pode ser denunciado pelos mesmos crimes”, disse.

Amazoninarede-Sistema Globo

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.