Internet é ambiente fértil para relatos absurdos e que enganam muita gente

Muitas histórias trazem malwares para o computador e prejuízo para o bolso do usuário. Saiba como se prevenir e evitar as armadilhas da rede.

É fácil estar navegando nas redes sociais e se deparar com um link compartilhado com um título parecido com “Governo do Tocantins inicia a construção de muro que fechará o estado”. No espaço para comentários, diversas pessoas indignadas, acreditando mesmo em uma possível obra desse tipo. Mas basta prestar um pouco de atenção para descobrir que, na verdade, tudo não passa de uma brincadeira criada por um falso site de notícias. Sim, você caiu em mais uma mentira da internet.

Sites como esses têm se multiplicado na internet. Na maioria das vezes, a intenção é meramente o humor. É o caso de páginas como o G17, o Sensacionalista e o Piauí Herald. Mas a linguagem utilizada, própria do jornalismo, e a quantidade de informações que se assemelham à realidade fazem com que muitas pessoas de fato acreditem no que estão lendo.

O próximo passo, então, é o compartilhamento da história, o que se tornou bem mais fácil com a chegada das redes sociais. Mas as mentiras espalhadas na rede não são exatamente novas. Por volta do ano 2000, Gilmar Lopes recebeu um e-mail do tipo corrente, pedindo doações para uma criança com câncer. Curioso, ele foi atrás da instituição que estava angariando os fundos. Mas o resultado não foi o esperado. “Era só um golpe para arrancar dinheiro”, conta. Revoltado, espalhou a notícia para todos os conhecidos. A partir desse dia, vários amigos passaram a enviar histórias para que ele conferisse se era real.

Então, em 2003, Lopes decidiu unir todas os casos resolvidos em um site. Criou assim o E-farsas, que, neste 1º de abril, completa 11 anos (de verdade). Além disso, Gilmar apresenta um quadro em um programa de rádio em que explica algumas lorotas da internet.

Foto: Reprodução

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.