Trabalhadores da Eletrobras-Acre retomam luta contra venda da distribuidora

(Reportagem: João Maurício – Pág 20.net)

Os trabalhadores da Eletrobrás Distribuição Acre, a antiga Eletroacre, estão retomando movimento contra a privatização da empresa iniciado ainda durante o governo de Fernando Henrique Cardoso nos anos 90.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Urbanitários, Fernando Barbosa, uma agência internacional de notícias está divulgando que a Eletrobrás decidiu colocar a venda todas as distribuidoras que estão sob seu controle depois de serem federalizadas no processo de privatização do setor elétrico pelo governo de FHC.

O secretário-geral do Sindicato e vereador Marcelo Jucá disse que seria uma contradição a Eletroacre ter sobrevivido à privatização com Fernando Henrique e ser privatizada pela presidente Dilma cujo partido, o PT, venceu três eleições presidenciais defendendo as estatais de setores estratégicos como energia e saneamento.

Além disso, de acordo com Jucá, se as distribuidoras sofrem prejuízos e precisam cortar gastos, deveriam começar a cortar na própria carne reduzindo cargos de diretores, supersalários e se preocupar com a qualidade dos serviços.

De acordo com ele, a privatização da distribuição de energia no Acre seria um golpe contra o programa Luz para Todos e municípios deficitários, como Jordão, onde a arrecadação não cobre os custos de geração nas termelétricas movidas à diesel.

Além da antiga Eletroacre, estão na mesma condição as distribuidoras do Piauí, Alagoas, Amazonas, Roraima e Rondônia. “A Eletrobras avalia que a venda do controle das distribuidoras de energia federalizadas é a melhor solução para essas companhias e pedirá o aval do governo federal na semana que vem para perseguir essa opção, disse uma fonte próxima das negociações”, informa a agência.

Segundo a fonte, a estatal considera que a venda é a melhor alternativa para recuperar as problemáticas distribuidoras, que vêm apresentando prejuízo e consumindo recursos da Eletrobras. As distribuidoras do grupo têm concessões que vencem em 2015 e cujo processo de renovação ainda não foi definido pelo governo federal. Elas tiveram prejuízo de 1,331 bilhão de reais em 2012.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.