Termina a maratona: Senado aprova MP dos Portos

Brasília – Após 8 horas de sessão no Senado e 41 horas de sessões na Câmara, governo consegue, enfim, aprovar no Congresso Nacional o relatório do senador Eduardo Braga (PMDB-AM) para a MP dos Portos; foram 53 votos a favor, 7 contra e 5 abstenções; “Matéria vai a sanção”, anunciou o presidente Renan Calheiros (PMDB-AL); oposição apresentou vários recursos e questões de ordem à Mesa do Senado, mas todos foram rejeitados em conjunto pelo plenário; derrotados, oposicionistas questionaram no STF o apressado procedimento de votação.

Após uma maratona iniciada na segunda-feira, o governo conseguiu enfim aprovar no Congresso Nacional a MP dos Portos, que estabelece um novo marco regulatório para o setor portuário, define novas regras para a concessão de terminais portuários à iniciativa privada e altera as relações trabalhistas nos portos. A medida foi aprovada em votação simbólica, levando os senadores da oposição a pedir verificação de quórum. No fim das contas, foram 53 votos a favor, 7 contra e 5 abstenções.

Para conseguir aprovar a MP, o plenário do Senado rejeitou em bloco todos os requerimentos de destaques ao texto da medida provisória. Com isso, todas as emendas apresentadas à matéria foram consideradas prejudicadas e os senadores iniciaram a discussão do projeto de lei de conversão (PLV), conforme enviado pela Câmara dos Deputados.

Em obstrução, a oposição apresentou vários recursos e questões de ordem à Mesa Diretora do Senado. Eles foram votados em globo e rejeitados pelo plenário. Os líderes oposicionistas reclamaram do que consideram um cerceamento da liberdade de discutirem a matéria.

“É por isso, porque não podemos reclamar com o bispo, que nós vamos ao Supremo Tribunal Federal, para reclamar o nosso direito parlamentar de ao menos discutir a matéria”, disse o líder do PSDB, senador Aloysio Nunes (SP), justificando o mandado de segurança apresentado por ele e outros líderes na tentativa de suspender a sessão.

Em resposta, Eduardo Braga (PMDB-AM), líder do governo e relator da MP, e outros senadores da base argumentaram que a matéria foi amplamente discutida durante sua análise em comissão mista do Congresso e que houve poucas mudanças na Câmara. Os deputados só concluíram a votação do projeto derivado da MP (PLV 9/2013) na manhã desta quinta.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), garantiu ter seguido, no processo de votação, todas as regras do Regimento Interno no Senado e da Constituição. Ele reiterou determinação da Mesa de, a partir de agora, só receber medidas provisórias da Câmara com no mínimo sete dias de validade.

Com Agência Brasil 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.