Susam anuncia a adoção de técnica para detecção e diagnóstico do Zika vírus

O temido e maléfico mosquito

 

O temido e maléfico mosquito
O temido e maléfico mosquito

Amazonas – A Secretaria Estadual de Saúde (Susam) anunciou, nesta sexta-feira, 11, que a Fundação de Medicina Tropical Dr Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) passará a adotar, a partir de janeiro, a técnica do PCR em tempo real (Polymerase Chain Reaction – Reação em Cadeia da Polimerase), que permitirá obter informações para detecção e diagnóstico da doença.

A Fiocruz já adota a metodologia, no Amazonas, e com a FMT a capacidade de oferta do serviço será ampliada.

No Amazonas, de acordo com o secretário estadual de Saúde, Pedro Elias de Souza, são 22 casos suspeitos de Zika vírus e um confirmadoTodos com ocorrência em Manaus. Assim como Dengue e Chikungunya, o Zika vírus é transmitido pelo Aedes aegypti, com o agravante de estar associado ao surto de microcefalia que ocorre no nordeste brasileiro.

Pedro Elias disse que a FMT, que faz parte da rede estadual de saúde, está concluindo os últimos ajustes para começar a adotar a técnica do PCR, método de biologia molecular de amplificação do DNA, utilizado para o sequenciamento de genes e diagnóstico de doenças hereditárias, assim como para detecção e diagnóstico de doenças infecciosas. A diretora-presidente da FMT-HVD, Graça Alecrim, explica que a técnica tem como diferencial a sua versatilidade, que permite a aplicação em diversos materiais biológicos.

“É um método capaz de identificar o patógeno (vírus, protozoários, dentre outros), fornecendo informações precisas da sua presença no material analisado. É muito importante para a confirmação do diagnóstico”, destacou. Segundo Graça Alecrim, a FMT também está se preparando para, a partir do próximo ano, testar novos métodos para detecção e diagnóstico do Zika vírus.

Alerta a boatos

Graça Alecrim integra o Comitê de Apoio ao Monitoramento, Prevenção e Controle dos casos de Microcefalia no Amazonas, que é presidido pelo secretário estadual de Saúde, Pedro Elias. Na segunda reunião do Comitê, que ocorreu na última quinta-feira, 10,

Pedro Elias informou que a FMT-HVD passará a ser a unidade de referência, na rede de saúde, responsável por realizar os exames de necropsia, caso haja algum óbito de bebê com microcefalia associado a caso suspeito de Zika vírus durante a gestação.

Na reunião, Pedro Elias fez um alerta sobre os boatos que vêm circulando, principalmente nas redes sociais, com informações falsas e que prejudicam o trabalho realizado pelos órgãos de saúde. “O fenômeno ocorre em todo o país e vem preocupando as autoridades de saúde. São atitudes irresponsáveis, que acabam tumultuando e gerando pânico. É preciso tranquilidade e buscar os canais corretos para esclarecimento, no atendimento médico ou nas unidades de saúde”, afirmou.

O Comitê é formado por especialistas na área na saúde. Na reunião da última quinta-feira, o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão, apresentou, para análise e adoção em Manaus, o fluxograma de atendimento à gestante suspeita de ser portadora de Zika vírus.

Na reunião, ficou também estabelecido que as ações do Comitê estarão concentradas em três eixos: Mobilização social, com a organização de atividades nas escolas, repartições públicas, nas ruas, dentre outros locais; Combate ao mosquito transmissor da doença, com ações de campo; e Atenção às pessoas, com o manejo clínico de pacientes.

Unidades-sentinela

Como parte das ações para reforçar o monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e, agora, principalmente de Zika vírus, a Susam já definiu quatro unidades sentinelas: o Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado e o Pronto-Socorro da Criança da Zona Oeste, na rede pública e o Hospital Adventista, da rede particular.

Além disso, a Susam expediu notas técnicas, assinadas em conjunto com o município, contendo orientações a serem adotadas nas maternidades e no atendimento ao pré-natal, na atenção básica.

Indicadores

Conforme dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), em 2015, em todo o Estado, foram registrados 7.191 casos de Dengue. Em relação à febre Chikungunya, neste ano foram notificados 152 casos da doença no Amazonas, somente 12 confirmados, 75 descartados e 65 permanecem sob investigação.

Dos 12 casos confirmados, cinco foram de transmissão autóctone (interna) e os sete restantes “importados” (o doente foi infectado fora do Estado). Do Zika vírus são 22 casos suspeitos e apenas um confirmado e com transmissão autóctone.

Amazonianarede-Secom

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.