Rio Negro bem perto da cota de alerta

O nível registrado ontem (26) estava em 29,21 metros, faltando 41cm para a cota de alerta
O nível registrado ontem (26) estava em 29,21 metros, faltando 41cm para a cota de alerta
O nível registrado ontem (26) estava em 29,21 metros, faltando 41cm para a cota de alerta

Faltam 41 centímetros para a cota do nível do Rio Negro atingir a previsão máxima estimada pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) no último alerta de cheia divulgado no início deste mês. A cota registrada ontem foi de 29m21cm. O alerta prevê que as águas atinjam um nível de 29m62.

No Centro, o reflexo da subida das águas já pode ser observado. A rua dos Barés já está parcialmente alagada, atraindo olhares de quem passa pela área e preocupando comerciantes. “Tem mais ou menos uma semana que começou a alagar. Pelo que estamos observando, esse ano a coisa vai ser feia, assim como tem sido nos últimos cinco anos”, comentou o vendedor Manuel Antônio, 70.

Durante o período das cheias mais fortes, as ruas dos Barés e Barão de São Domingos viram atração turística. “Temos até julho para ver se a cheia vai bater recorde ou não. Os especialistas dizem que não vai bater a de 2012, mas eu não acredito. Isso é muito imprevisível”, disse a empresária Janiza Monteiro, 41, que aproveitou para registrar o início da inundação da rua.

‘outras zonas’

Existem outras áreas da cidade que já estão bastante afetadas com a cheia dos rios. O bairro Presidente Vargas, a ‘Matinha’, é uma destas áreas. Na Travessa Walter Rayol, os moradores já andam sobre as pontes de madeira e começam a adaptar suas casas. “Sempre tenho que me arriscar, entrando nesta água, para limpar a sujeira e fazer pontes na minha casa. Sei que corro risco de contrair alguma doença, mas não temos para onde fugir”, lamentou o catador Luiz Carlos Lopes, 52.

No bairro São Jorge, Zona Oeste, a rua Humberto de Campos também já foi atingida pelas águas do rio Negro.

Samsung entrega doações a ribeirinhos

A Samsung Eletrônica da Amazônia entregou, ontem, sete mil peças de roupas e 300 quilos de alimentos para a campanha SOS Ribeirinhos, da Defesa Civil do Amazonas. As doações foram arrecadadas pelos funcionários da empresa. A Defesa Civil enviará os itens para as cidades afetadas na região do Médio Solimões. ACRÍTICA

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.