Regularização ambiental e combate ao desmatamento nos assentamentos foram discutidas em seminário

(Foto: Ascom)

Com a participação direta do INCRA, o Ministério Público Federal no Amazonas, realizou nos auditórios da Justiça Federal e do Ministério Público Federal, um seminário onde foi amplamente discutida a regularização ambiental dos assentamentos da reforma agrária na Amazônia Legal, com a participação das superintendências do INCRA nos estados do Amazonas, Acre e Roraima.

A superintendência do Amazonas foi representada pela sua titular, Maria do Socorro Marques Feitosa, chefes de divisões e corpo técnico.

No evento de responsabilidade do Ministério Público Federal foram apresentados e discutidos exaustivamente planos para a execução do Termo de Compromisso entre o MPF-INCRA com o objetivo de promover a regularização sócio-ambiental nos assentamentos de reforma agrária na Amazônia legal. O evento contou com a participação de diversos órgãos ligados a questão na região, inclusive com a CPT e o IBAMA fazendo parte da mesa.

A abertura oficial teve a coordenação do procurador federal Rafael da Silva Rocha e o presidente do INCRA, Carlos Mario Guedes e Guedes que por força de agenda foi representado no ato pelo agrônomo Carlos Eduardo Aturm, coordenador geral de Meio-ambiente do INCRA nacional, que discorreu sobre o Termo de Compromisso assinado no dia 8 de outubro deste ano, mostrando os caminhos a serem seguidos para o desenvolvimento do trabalho nos próximos sete anos, tempo de vigência do TC.

Durante os debates, várias dúvidas foram esclarecidas e ficou a certeza de que as ações para a regularização ambiental dos assentamentos de reforma agrária na região serão realizados pelo INCRA e parceiros sob as vistas do Ministério Público Federal.

Tudo o que ficou definido no Seminário, será parte integrante do plano de trabalho que será executado pelas superintendências regionais do INCRA dos Estados do Amazonas, Acre e Roraima.

META

Durante a apresentação do Termo de Compromisso, Eduardo Sturm, afirmou que a meta a ser perseguida até 2020, data em que terminará o acordo, estabelece a queda de 80% em relação aos índices registrados em 2015, incluindo a regularização de 500 assentamentos através do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e a titulação de vinte mil famílias e se esses compromissos sejam cumpridos, o MPF determinará as ações apresentadas à Justiça.

No Amazonas, dos mais de cem assentamentos de reforma agrária, apenas cinco aparecem com situação graves, encabeçadas pelo PA Rio Juma, no município de Apuí, sul do Amazonas, o maior assentamento de reforma agrária no Brasil.

QUALIDADE

Questionado se o Termo de Compromisso para a regularização ambiental dos assentamentos na Amazônia não intimidará na criação de projetos, Eduardo Sturm, garantiu que não haverá nenhuma interferência na criação de novos assentamentos e no processo de regularização fundiária, considerando que o trabalho visa a valorização de ativos ambientais e de atividades produtivas na reforma agrária de acordo com o programa definido como assentamentos verdes, que terá a participação da Rede Grupo de Trabalho Amazônico, onde o manejo florestal será inserido como uma forma de reduzir o desmatamento e outras ações, como por exemplo, a produção para comercialização de sementes e produção de mudas da mata amazônica, o que poderá gerar recursos para os assentados e beneficiários da reforma agrária.

Para o coordenador geral do Meio-ambiente do INCRA, todo esse trabalho vai tornar a reforma agrária mais qualificada com geração de maior renda para os assentados e com essas ações o INCRA sairá de uma vez por todas da figura de uma instituição que através o assentamentos colabora e muito com o desmatamento na Amazônia, o que estatiscamente, mesmo no momento atual não traduz a realidade, considerando que os grandes desmatamentos são produzidos na região pelo agronegócio e não pelos assentados que trabalham basicamente com a agricultura familiar.

PLANO DE TRABALHO

Ao final do evento, ficou acertado que todas as superintendências dos 11 estados da Amazônia Legal, encaminharão até o dia 8 de dezembro o Plano de Trabalho para a execução do Termo de Compromisso firmado entre o MPF e o INCRA para a regularização ambiental dos assentamentos e outras questões relacionadas ao meio ambiente, que terá o acompanhamento do Ministério Público Federal em cada estado.

No caso do Amazonas, o Plano que já começa a ser trabalhado, começará com a busca de parcerias para juntar forças de trabalho com os recursos do órgão e fazer as adequações necessárias nas questões ambientais nos assentamentos de reforma agrária no Estado.

Esse mesmo caminho, deverá ser seguido por todas as superintendências regionais do INCRA na Amazônia Legal e tudo deverá ser executado dentro de 7 anos, ou seja até 2020.

Durante os próximos dias, seminários semelhantes que se encerrou hoje em Manaus serão realizados em outros centros, envolvendo todas as 11 superintendência do INCRA na Amazônia Legal.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.