Quatro Jornalistas franceses sequestrados na Síria ganham a liberdade

Jornalistas em liberdade
Jornalistas em liberdade

Paris – Os quatro jornalistas franceses sequestrados em junho de 2013 na Síria foram libertados neste sábado e retornarão no domingo para a França após dez meses de cativeiro no país mais perigoso do mundo para a imprensa e as ONGs. “Estamos muito felizes de estar livres”, afirmou Didier François, um dos quatro repórteres libertados.
“Agradecemos às autoridades turcas pela ajuda. É uma felicidade poder ver o céu, caminhar e falar livremente”, completou o ex-refém, em inglês, na delegacia de Akçakale, cidade turca próxima da fronteira com a Síria.

Edouard Elias, Didier François, Nicolas Hénin e Pierre Torres foram deixados por homens não identificados durante a noite de sexta-feira na fronteira entre Síria e Turquia. Os quatro foram encontrados pelo exército turco perto de Akçakale, segundo a agência de notícias turca Dogan. O presidente francês, François Hollande, anunciara um pouco antes que havia sido informado “com imenso alívio” sobre a libertação dos quatro jornalistas franceses. Hollande afirmou que estavam “bem de saúde, apesar das condições extenuantes do cativeiro”.

De acordo com o gabinete presidencial, o avião trazendo os ex-reféns da Turquia pousará domingo de manhã, às 8h00 local (3h00 no horário de Brasília), no aeroporto militar de Villacoublay, perto de Paris. O chefe de Estado deve receber os jornalistas em sua chegada.

Desde o início da guerra entre o regime de Bashar al-Assad e os rebeldes em 2011, mais de 30 jornalistas estrangeiros foram sequestrados na Síria. A libertação dos franceses acontece após a de vários jornalistas europeus que estavam sob poder do Estado Islâmico no Iraque e Levante (EIIL), o mais radical dos grupos jihadistas na Síria.

Mas alguns jornalistas continuam sequestrados no país, entre eles os americanos Austin Tice, desaparecido em agosto de 2012, e James Foley, desde novembro de 2012, que já foi colaborador com a AFP. Os quatro reféns franceses estavam com as mãos amarradas e os olhos vendados quando foram encontrados por soldados turcos na fronteira, segundo a agência Dogan.

Os soldados acreditaram em um primeiro momento que eram contrabandistas, mas quando perceberam que os reféns falavam em francês os levaram para a delegacia de Akçakale. Imagens dos canais de televisão turcos mostram os quatro jornalistas com os cabelos compridos e barba, aparentemente em bom estado de saúde.

Didier François, da rádio Europe 1, e o fotógrafo Edouard Elias foram sequestrados ao norte de Aleppo em junho de 2013. Nicolas Hénin, repórter da revista Le Point, e Pierre Torrès, fotógrafo independente, foram sequestrados duas semanas depois, em 22 de junho, em Raqa.

A Síria passou a ser considerada o país mais perigoso do mundo para a imprensa, segundo várias organizações de defesa da liberdade de expressão.

Amazonianarede – France Press

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.