Quase mil processos foram analisados na I Semana do Mutirão Carcerário no Amazonas

(Amazonianarede – Assessoria)

O trabalho está se desenvolvendo com rapidez. A equipe do mutirão carcerário do Amazonas formada por profissionais do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Ministério Público Estadual (MPE) e Ordem dos Advogados do Amazonas (OAB/AM), analisou na última semana, 912 processos de presos provisórios e condenados.

Dos 826 processos de presos provisórios, 269 foram beneficiados com a liberdade. 380 tiveram o beneficio negado e 177 tiveram despachos dos juízes para algum tipo de diligência para ajudar na decisão da justiça.

A Juíza Samira Heluy é do Maranhão e foi designada pelo CNJ para coordenar o Mutirão no Amazonas. Ela destaca que o prazo para a analise de processos de presos provisórios pelos juízes do Amazonas, termina na próxima sexta-feira (27).

Mesmo com as atenções voltadas para os presos provisórios nesta primeira etapa, 85 processos de presos condenados foram analisados e 10 foram beneficiados com a liberdade.

“Até o dia 18 de outubro, a intenção é que todos os presos do sistema prisional do Amazonas, tenham os seus processos revistos pela justiça. A intenção não é soltar preso e sim garantir seus direitos. Sabemos que tem juízes criminais que administram até 500 processos e outros com 100 processos e que é complicado exigir tanto do magistrado por conta da estrutura da cada vara criminal, mas o que se quer é verificar onde estão as maiores demandas e resolve-las”, destacou a juíza.

Vistoria nos presídios

Nesta quarta-feira (25), a equipe do CNJ esteve no Centro de Detenção Provisória (CDP) que fica no KM 8 da BR 174. No local, pavilhões e celas foram vistoriadas. A Juíza Samira Heluy também reservou tempo para conversar com alguns detentos.

Mesmo sendo uma das instituições mais novas do sistema prisional, com aproximadamente 2 anos, o local apresenta superlotação. A capacidade atual é para 580 presos, mais abriga hoje 1041.

Entre os casos que chamaram a atenção, estão os de 2 presos estrangeiros, um Russo e um Croata. Eles estão presos há 1 ano, sem julgamento nem contato com a família. Segundo a Sejus, O processo corre na esfera federal em segredo de justiça. A língua, é outro ponto que dificulta o acesso desses presos a benefícios os quais eles têm direito.

Em relação a superlotação, o secretário executivo da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, Antônio Norte Filho, informou que uma reforma está sendo feita na unidade para dota-la de mais 230 vagas.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.