PF acompanha situação na Guiana Francesa

Amazonianarede – Folha BV

Caiena – O escritório da Polícia Federal em Caiena, na Guiana Francesa, está acompanhando de perto a onda de protestos promovida por pescadores e garimpeiros contra os prejuízos ocasionados pela exploração dos recursos naturais do território francês por empresas e imigrantes irregulares brasileiros.

Conforme informações repassadas por fontes externas, a PF estaria produzindo informações ao governo brasileiro sobre as manifestações que tiveram início no começo de fevereiro. A situação ficou tensa por conta de interesses políticos de trabalhadores locais e sindicatos, o que acabou prejudicando os brasileiros que vivem em Caiena, dentre eles roraimenses.

O Consulado brasileiro em Caiena chegou a ter as ruas de acesso bloqueadas por caminhões de som, câmaras de frigoríficos e carros. Os trabalhadores da Guiana insistem que barcos e empresas brasileiras têm “violado a soberania” do território e levado de forma ilegal os recursos naturais da região.

Os pescadores da Guiana Francesa acusam barcos, empresas e simples pescadores brasileiros de praticarem a pesca ilegalmente nos 350 quilômetros de águas territoriais francesas. Os garimpeiros também acusam os brasileiros de levar o ouro do país de forma irregular.

A imprensa local divulgou que os sindicatos de pescadores invadiram os dois maiores supermercados de Caiena para impedir a venda de pescado fresco. No supermercado Geant Casino a gerência aceitou retirar o pescado das prateleiras e guardar no congelador. No supermercado Carrefour, não houve aceitação pacífica e o pescado foi retirado de forma violenta pelos manifestantes que jogaram água sanitária e detergente sobre ele.

Os sindicatos de trabalhadores pedem que o Brasil ratifique um tratado assinado pelos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Nicolas Sarkozy, em 2008, que estabelecia que Brasília criaria programas para reintegrar esses imigrantes de volta em território brasileiro. As negociações prosseguem.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.