Parlamentares mais votados são alvo de barganha feroz no Congresso

(Fonte: Correio Braziliense)

O peso dos deputados federais mais votados nas eleições de 2010 nos repasses do fundo partidário mostra por que as legendas se esforçam tanto para não deixá-los escapar.

Tiririca, por exemplo, renderá R$ 16,3 milhões ao PR em quatro anos.

A conta é simples. É por meio do fundo partidário que os partidos brasileiros basicamente se sustentam. A verba pode ser usada com propaganda política; campanhas eleitorais; criação e gastos de institutos e fundações; manutenção das sedes; e serviços da legenda, incluindo pagamento de pessoal. Só neste ano, os partidos serão contemplados com R$ 364 milhões do fundo.

Tiririca, o mais votado do país, quase deixou a legenda antes da janela permitida para quem quer se candidatar em 2014 (5 de outubro, um ano antes do pleito) e chegou a ameaçar até largar a política e voltar a ser apenas artista. Mas, após negociações com integrantes do PR, principalmente com o deputado Valdemar Costa Neto (SP), resolveu ficar. Neto, que cumprirá pena em regime semiaberto devido à condenação imposta pelo Supremo Tribunal Federal (STF), de 7 anos e 10 meses de prisão, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do mensalão, sabe bem o valor do palhaço.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.