Mortalidade infantil no Pará é a 2ª maior do País

(Foto: Rodolfo Oliveira – DOL)

A área social é o grande problema a ser enfrentado no Pará. Mais um exemplo acaba de ser divulgado pelo Ministério da Saúde: em 2012 a cada mil crianças que nascem no Pará, 24,1 morrem antes de completar cinco anos.

Ou seja, a taxa de mortalidade na infância do Pará é a segunda maior do Brasil. Estamos na 26ª colocação e só perdemos para nosso vizinho Amapá, que tem 29 mortes por cada mil crianças nascidas.

Não há propaganda no mundo que abafe a realidade nua e crua. Os seguidos governos que comandaram o Pará não conseguiram melhorar os índices em comparação com as outras unidades da federação. De 1990 até agora o PSDB governou o Pará por 16 anos – sendo oito anos seguidos de Almir Gabriel e dois de Simão Jatene.

Há 22 anos, em 1990, a mortalidade na infância do Pará era bem maior: 53,3 por mil nascimentos. Mas nessa época o Estado ocupava a 11ª posição do ranking nacional, atrás de Alagoas, Paraíba, Ceará, Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte, Bahia, Sergipe, Piauí e Acre, esse último ocupando a 10ª colocação, com a mortalidade de crianças menores de cinco anos alcançando 65,1 por mil nascimentos. Alagoas, o primeiro do ranking, chegava a 117,8 por mil – o dobro do Pará.

Mas de lá pra cá a mortalidade na infância caiu nesses estados muito mais do que no Pará: aqui a queda foi de 54,8%. No Ceará, por exemplo, 82,3%. Dessa forma a taxa de mortalidade cearense baixou de 91,6 para 16,2 por mil nascidos vivos. Ou seja: a redução de 54,8% do Pará foi pequena sendo a quarta menor do Brasil, à frente apenas de Roraima (52,8%), Mato Grosso (51,8%) e Amapá (33,9%). De 1990 até agora o PSDB governou o Pará por 16 anos – sendo oito anos seguidos de Almir Gabriel e dois de Simão Jatene.

Analisando os números percebe-se ainda que a queda paraense de mortalidade na infância também ficou abaixo da média nacional (68,5%) e até da média da Região Norte (56,1%). Outro dado importante: no Pará, o número de mortes de crianças de até cinco anos por mil nascimentos (24,1) é pior que média do Brasil (16,9) e até da Região Norte (23,2), a mais alta entre as regiões brasileiras.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.