MEC recorre para não liberar acesso imediato à correção da redação do Enem

Amazonianarede – Estadão

A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu nesta sexta-feira, 4, ao Tribunal Regional Federal da 5.ª Região (TRF-5), no Recife, para que o Ministério da Educação (MEC) não precise liberar, de forma imediata, o acesso dos candidatos do Enem 2012 aos espelhos da correção da prova de redação, conforme determinou ontem a Justiça Federal no Ceará.

No recurso, o MEC alega que não é viável tecnicamente colocar o sistema no ar em 48 horas. Diz que a data prevista para publicar os espelhos é 6 de fevereiro, reafirmando o cumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado com o Ministério Público Federal (MPF) no qual se comprometeu a dar acesso à “vista pedagógica”, sem possibilidade de os candidatos recorrerem das notas.

A decisão da Justiça Federal, em caráter liminar, foi publicada em atendimento a pedido do MPF no Ceará. Na ação civil pública, o procurador da República Oscar Costa Filho anexou um CD com cerca de 8 mil assinaturas de candidatos insatisfeitos com as notas da redação. Segundo os alunos, as pontuações atribuídas não obedeceram aos critérios de correção do edital.

O juiz Danilo Fontenelle Sampaio determinou que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) – órgão do MEC responsável pelo Enem – exiba as redações corrigidas e acompanhadas de justificativas da pontuação.

A parte da ação civil pública que pede a possibilidade de os candidatos recorrerem da correção ainda não foi deliberada. A questão deve ser “melhor apreciada”, escreveu Sampaio na decisão.

A ação de Costa Filho, ajuizada ontem à tarde, foi julgada em parte em caráter de emergência, por causa da proximidade do início das inscrições no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), previstas para começarem na segunda-feira, 7. O Sisu oferecerá 129 mil vagas no primeiro semestre em instituições públicas de ensino superior que utilizam o Enem como vestibular. A redação tem forte impacto na nota final.

O MPF em Alagoas também ingressou ontem com uma ação civil pública para garantir o acesso dos alunos ao espelho da correção. Para o procurador Marcial Duarte Coêlho, liberar as provas em fevereiro pode ser “tarde demais”. Ele pede o adiamento das inscrições no Sisu. A Justiça Federal no Estado ainda não se pronunciou.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.