Em greve, professores da UFAM protestam contra a reitoria

Professores em gr4ve, protestam na UFAM
Professores em gr4ve, protestam na UFAM
Professores em gr4ve, protestam na UFAM

Manaus, AM – Em greve há 74 dias, um grupo de professores e integrantes do comando de greve da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) protestaram em frente à sede do Ministério Público Federal (MPF) nesta sexta-feira (28) contra a reitoria da Universidade, em Manaus. No ato, eles rebateram denúncias de exagero no movimento paredista.

Crisolda Araújo, coordenadora do Sindicato dos Técnico-Administrativos da Ufam, explicou que a Reitoria da Ufam acionou o Ministério Público para relatar desrespeitado à Lei de Greve.

“Estamos respeitando rigorosamente a Lei de Greve e os serviços essenciais. Achamos absurda a denúncia e, por isso, entregamos, simbolicamente, o documento em sinal de protesto. A reitora tomou essa iniciativa para prejudicar a nossa greve. Ela disse ao Ministério Público que prejudicamos a coleta de lixo, saída de carros de terceirizados e algumas inverdades”, disse.

Denuncias contra a reitoria

No ato, os manifestantes também protocolaram denúncias contra a Reitoria da universidade. Entre os pontos apresentados, destacam-se a perda de autonomia da universidade, sinalizada pela sentença que proíbe o Conselho Universitário (Consuni) de deliberar sobre o calendário acadêmico; a confusão gerada pela manutenção do calendário acadêmico após a deflagração de greve; e a falta de transparência na divulgação dos impactos, a nível institucional, dos cortes orçamentários do governo federal na educação.

As negociações entre a categoria e o Governo Federal estão interrompidas, de acordo com o Sindicato dos Técnico-Administrativos da Ufam. Entretanto, na segunda-feira (31) lideranças nacionais se reunirão com representantes do governo. “As conversas estão praticamente nulas e entendemos que não vamos atender a contraproposta dele. Queremos 27% de reposição salarial e aumento dos benefícios. O nosso piso salarial é o menor do serviço público federal e o auxílio alimentação é o menor também. Esse aumento gradual de 5% por ano não vai cobrir a inflação. Estamos insatisfeitos com isso”.

Sem acesso

Em nota, a administração superior da Universidade Federal do Amazonas informou que não teve acesso ao conteúdo protocolado junto ao Ministério Público Federal, mas que dará os devidos encaminhamentos à questão assim que for oficialmente comunicada pelo órgão federal.

Quanto ao processo mencionado pelos manifestantes, a reitoria informou que a medida foi necessária por conta dos excessos praticados pelos integrantes do movimento grevista, que teriam impedido o acesso dos servidores aos setores de trabalho.

A reportagem procurou a assessoria de comunicação do Ministério Público Federal do Amazonas (MPF-AM), mas as ligações não foram atendidas.

Amazonianarede-TVAM

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.