Em discurso de posse, Barbosa diz que juiz deve se afastar de más influências

Amazonianarede – iG

Brasília – Em um evento com pompa preparado para receber 2 mil convidados, o ministro Joaquim Barbosa tomou posse nesta quinta-feira como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). De perfil polêmico, Barbosa assume com a tarefa de amenizar os desgastes que resultaram de mais de três meses de julgamento do mensalão, processo do qual também é relator.

Durante o seu discurso, de pouco mais de 15 minutos, Barbosa ressaltou a importância de se ter um Judiciário independente, bem como juízes afastados de más influências e de laços políticos. “Às vezes, preciso reforçar a independência do juiz para afastá-lo de múltiplas e más influências que podem minar o seu poder de independência (…) laços políticos dos quais eles podem se tornar tributários”, afirmou Barbosa, muito aplaudido. E continuou: “Nada justifica a pouco edificante busca de apoio para uma singela promoção de um juiz do 1º grau para o 2º grau de jurisdição”. Segundo ele, o juiz, bem como os membros de outras carreiras de Estado, devem saber de antemão quais são suas perspectivas de ascensão, e “não promoção por meio do poder político vigente”.

Barbosa criticou tratamento privilegiado no Judiciário e o que chamou de “déficit de Justiça” no País. Para ele, é preciso construir um Judiciário “sem firulas, sem rodeios, sem rapapés”. “Buscamos um Judiciário sério, efetivo e justo”, afirmou. Barbosa foi muito aplaudido também quando citou a mãe e o filho que estavam na plateia.

Antes de Barbosa, Luiz Fux leu a trajetória do novo presidente da Corte até a chegada ao STF em 2003, indicado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Fux fez uma defesa do Judiciário, lembrou a luta contra a corrupção, julgamentos históricos e a Lei da Ficha Limpa. “Nós juízes não tememos nada, nem a ninguém (…) A independências dos juízes devem sentir-se desvinculados de toda e qualquer subordinação hierárquica”, disse o ministro em seu discurso. Ele também citou Martin Luther King e Nelson Mandela. “Sonhe como sonhe Mandela, o sonho não se inventa (…) o amor pela verdade pela Justiça e por essa nossa amada pátria, Brasil. Que Deus o proteja”, afirmou Fux ao final de sua fala. E foi muito aplaudido.

Roberto Gurgel, procurador-geral da República, defendeu o poder de investigação do Ministério Público e afirmou que tirar esse poder seria um “atentado”. “A quem interessa tirar o poder de investigar do Ministério Público?”, questionou. Gurgel, que virou um dos alvos do relatório final da CPI do Cachoeira e também foi criticado durante o julgamento do mensalão, aproveitou a ocasião para criticar a medida provisória aprovada em Comissão da Câmara que limita o poder de investigar do Ministério Público. De acordo com a medida, nos casos de crimes contra a administração pública, a competência de investigação seria exclusiva das polícias Federal e Civil. Ainda falta a aprovação dos plenários da Câmara e do Senado.

Para a solenidade desta quinta-feira, Barbosa elaborou uma extensa lista de convidados. Entre eles, estão artistas como os atores Lázaro Ramos e Taís Araújo, além do cantor Djavan. Entre os políticos, o maior destaque ficou por conta da presidenta Dilma Rousseff.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.