CMM recorre à polícia no caso da propina

(Foto: Robervaldo Rocha/CMM)

O delegado geral da Polícia Civil, Josué Rocha, é quem vai conduzir os trabalhos de investigação do caso envolvendo a suposta cobrança de propina para a obtenção de vantagens no processo de revisão do Plano Diretor de Manaus em tramitação na Câmara Municipal de Manaus (CMM).

A atuação da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (SEAI) foi solicitada pelos vereadores.

A informação foi confirmada pelo presidente da comissão da CMM que acompanha o caso, vereador Mário Frota (PSDB), após reunião de uma hora, a portas fechadas na sede da SSP, com o secretário executivo adjunto de Estado da Segurança Pública, Francisco Sobrinho. Além de Frota, estiveram na audiência também os vereadores Júnior Ribeiro, Mitoso (PSD) e Professora Jacqueline (PPS). O secretário Sobrinho preferiu não prestar declarações aos jornalistas sobre a audiência com os parlamentares.

“Obtivemos a informação junto ao secretário Sobrinho que o delegado Josué Rocha foi designado para acompanhar esse processo de investigação. Teremos então na segunda-feira, às 15h uma reunião com o delegado porque isso é um caso de enorme gravidade. O vereador Mitoso sugeriu que esse empresário olhe um álbum de fotografia e diga se foi algum de nós ou nenhum de nós. Precisamos saber quem são esses pilantras, esses vigaristas”, disse Mário Frota.

Sobre a participação da Secretaria Executiva de Inteligência no caso, Frota afirmou que os parlamentares solicitaram o apoio e que a atuação será essencial. “São eles (a inteligência) que detém todas as técnicas necessárias para o trabalho”, disse.

O vereador declarou ainda que o advogado Félix Valois informou por meio de um telefonema na manhã desta quinta-feira que o empresário alvo da cobrança de propina “pediu que se possível, pudesse ficar de fora da história”. “Ele teme represálias, me disse o Valois, o problema é que sobrou para 41 vereadores essa história. Estamos todos agora sob suspeição. O Félix integra a administração municipal e tem o status de secretário. Ele não está blefando, não é homem disso, mas terá que se manifestar nessa questão”, destacou o parlamentar.

Para o vereador Júnior Ribeiro é preciso elucidar de vez o caso. “A Câmara fez a parte dela e temos que resolver isso de forma definitiva”, destacou.

O vereador Mitoso que defendeu a participação da Secretaria de Inteligência no caso, afirmou que é hora de se chegar a verdade. “A Câmara não se calou diante disso. A Câmara está inquieta e incomodada com essa situação. O povo quer respostas, pois impuseram sob as nossas costas acusações graves e estamos buscando os meios legais e se necessário vamos buscar os meios judiciais também. Não vamos ficar silentes”, destacou Mitoso.

A vereadora Jacqueline também defendeu o reforço do setor de inteligência da Polícia Civil nas investigações do caso. “A inteligência tem mais capacidade técnica para isso”, disse ela.

A reunião dos parlamentares com o representante da SSP se deu pela necessidade da comissão sindicante acompanhar os trabalhos de investigação do fato solicitados pelo presidente da CMM, vereador Bosco Saraiva, ainda no último dia 8, quando houve a publicação do artigo do advogado Felix Valois na imprensa local, relatando a participação de ‘meliantes’ que supostamente estariam usando o nome da CMM em prática de crime de extorsão, junto a empresários do ramo da construção civil, com a promessa de conseguir a aprovação de uma emenda referente ao aumento no número de gabaritos para imóveis verticais, dentro do novo Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.