Amazonas tem mais de 1,5 famílias beneficiadas com projeto do Banco Mundial

Manaus – Iniciativa apoiada pelo Banco Mundial junto ao Governo do Amazonas comemora a redução da pesca ilegal e garante o retorno do crescimento das populações do pirarucu e de outras espécies no Alto Solimões.

 

A pesca sustentável ajuda 1,5 mil famílias indígenas a vencer a pobreza. As informações são da Organização das Nações Unidas (ONU).

As comunidades recebem aulas de educação ambiental e, uma vez capacitadas, podem começar a monitorar os lagos do Alto Solimões. Elas se revezam e, via rádio, denunciam qualquer atividade de pesca ilegal. O projeto também possibilitou às associações de pescadores comprar pequenos tratores, reduzindo o tempo de transporte da mercadoria. Antes, os trabalhadores tinham de carregar os pirarucus nas costas floresta adentro.

Além disso, todo mês de agosto, as comunidades fazem a contagem do pirarucu. O peixe vai à superfície a cada 20 minutos para respirar – e, quando faz isso, solta um som muito particular. Os pescadores mais experientes analisam esses sinais e, com eles, calculam a população. Os números são passados ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), que estabelece o limite de pesca para cada temporada.

Depois de pescar, as famílias colocam um lacre do Ibama nos peixes (para garantir que eles foram pegos legalmente) antes de mandá-los aos mercados locais. “Agora, algumas famílias tiram até R$ 1 mil por mês”, explica o subcoordenador do projeto no Governo do Amazonas, Geraldo Araújo.

Os pescadores agora têm um novo objetivo: ganhar mais acesso a refrigeradores, tanto nos tratores quanto nos barcos de pesca. As equipes do Banco Mundial e do Governo do Amazonas atualmente analisam como ajudar a preencher essa lacuna – seja com o próprio projeto, seja em uma iniciativa à parte.

Manejo do pirarucu

O pirarucu é um animal em extinção, portanto o defeso é permanente: é crime pescá-lo e vendê-lo, salvo se vir de área de manejo, devidamente autorizado pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama).

Atualmente, a captura e comercialização é permitida somente em caso de piscicultura devidamente autorizada e de áreas de manejo. Nas áreas de manejo estas devem estar em Unidades de Conservação ou com acordos de pesca legalmente reconhecidos através de projetos específicos.

Com informações da ONU

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.