Amazonas Energia tem prazo curto para apresentar relatório do apagão

Amazonianarede/Assessoria

Manaus – Os “apagões” registrados nos dias 15 e 18 deste mês em Manaus, o segundo atingindo a mais três municípios da Região Metropolitana, continuam dando o que falar e a população querendo saber os motivos que provocaram o corte na distribuição da energia elétrica.

Em razão disso, a Amazonas Energia terá a partir do dia 27, oito dias para enviar um relatório técnico final à Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), para justificar os “apagões” dos dias 15 e 18 de setembro, em Manaus e mais três municípios da Região Metropolitana.

O prazo foi definido na manhã desta sexta-feira (28), durante reunião entre a Comissão de Defesa do Consumidor (CDC-Aleam), o Ministério Público do Estado (MP-AM) e a Defensoria Pública do Estado (DPE).
O ofício que define o prazo para a entrega do relatório foi assinado pelo presidente da CDC-Aleam, deputado estadual Marcos Rotta (PMDB); pelo promotor de Justiça Otávio Gomes, da 51ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor (51ª Prodecon); e pelo defensor público Carlos Alberto Filho, da Defensoria Pública Especializada em Ações Coletivas. O documento já foi encaminhado à Amazonas Energia.
Segundo o parlamentar, na reunião ocorrida no último dia 19, com a Amazonas Energia, a direção da concessionária se comprometeu formalmente a emitir um relatório sobre os “apagões” em tempo hábil, apesar do prazo de 30 dias estipulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O deputado anunciou que a empresa já apresentou um parecer prévio, mas verificou-se a necessidade de um relatório mais técnico e terá até a próxima sexta-feira (5/10). “É um prazo razoável de quase 20 dias. Reafirmo a importância do acesso a essas informações técnicas para podermos entender por que o nosso sistema é tão frágil”, disse.

Segundo o parlamentar, os relatórios servirão de base para as próximas ações entre o MP-AM, CDC-Aleam e DPE. “O levantamento vai nortear os próximos passos do inquérito civil investigatório instaurado há uma semana pelo MP, Comissão e Defensoria”, explicou.

Na reunião do dia 19, os representantes dos órgãos de defesa do consumidor reforçaram a necessidade de uma representação na Aneel em Manaus e assinaram um ofício solicitando ao senador Eduardo Braga (PMDB) a intercessão dele junto ao Ministério das Minas e Energia. “Acredito que, se houvesse um escritório da Aneel aqui, não sofreríamos com tanto descaso por parte da Amazonas Energia”, afirmou Rotta.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.