STF decide por liberdade dos envolvidos na Operação G7

Brasília – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux concedeu nesta segunda-feira (17) liberdade a todos os presos pela Polícia Federal no mês passado durante a operação G7, que apura supostas fraudes em licitações e formação de quartel no Acre. Ao todo, 15 pessoas foram detidas no dia da operação e 14 seguiam presas desde então.

A decisão cita que a soltura ocorre “em consonância” com o parecer da Procuradoria Geral da República, que cita apenas 10 nomes. No entanto, segundo o gabinete do ministro Luiz Fux, a revogação da prisão valerá para todos aqueles contra quem foram expedidos mandados de prisão.

Entre os que serão soltos estão o secretário de Obras do estado, Wolvenar Camargo; o ex-secretário de Habitação do estado Aurélio Cruz; o diretor do Departamento de Pavimentação e Saneamento (Depasa), Gildo César; o empreiteiro e ex-presidente da Federação da Indústria do Acre (Fieac) João Francisco Salomão; além de outros empreiteiros.

A decisão determina que os investigados terão de comparecer em juízo, não poderão deixar a cidade, não poderão frequentar o órgão no qual trabalhavam (no caso de servidores), não poderão ter contato com outros investigados e ficarão suspensos do exercício da função pública no caso dos servidores ou da atividade econômica no caso dos empresários.

Para o ministro,que atendeu a parecer do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, não havia mais necessidade de prisão. ”No momento da decretação da custódia cautelar, a medida era necessária para garantia da ordem pública, econômica e para conveniência da instrução criminal. […] A aplicabilidade, ao caso concreto, da prisão preventiva não se faz mais necessária, podendo ser substituída pelas medidas cautelares”, diz a decisão.

O diretor de análises clínicas da Secretaria Estadual de Saúde e sobrinho do governador Tião Viana, Thiago Paiva, chegou a ser preso, mas acabou liberado por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O processo da operação G7 foi enviado ao Supremo em razão do envolvimento de investigados com magistrados do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC). O presidente do STF, Joaquim Barbosa, chegou a pedir proteção para a relatora do inquérito, desembargadora Denise Bomfim, que afirmou ter sofrido ameaçadas em decorrência da atuação dela no caso.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.