Sociedade sobre rodas, prejuízos à economia

Ronaldo Santos*

Muito já se falara sobre os efeitos que a enxurrada de carros tem causado nas cidades. Aqui mesmo, já dei opinião nos artigos (Leia aqui). È possível encontrar dezenas de opiniões sobre o tema, portanto. O problema (ou fenômeno, para não ser tendencioso e achar que progresso na vida é algo ruim) é que passado dez anos do aceleramento deste fato tudo indica que só pioramos.

Assim, seria interessante uma nova reflexão, um novo olhar e talvez uma opinião distanciada daquelas proferidas em três, cinco anos antes – nossa primeira opinião.

A justificativa? Bem, como já falado, o momento é de agravamento deste fenômeno: há riscos e previsões cada vez mais válidas de que as cidades estão à beira do travamento físico – literalmente. Este é um problema que afeta drástica e diretamente as pessoas.

Aquecimento da economia?

Um dos argumentos pela escolha da sociedade sobre rodas – leia-se, ter carro – está no fato de que o governo entendia que se deveria estimular a compra de bens duráveis, que estimularia mais produção, que geraria mais empregos que aquece a economia…que, enfim, demandaria mais produtos (carros).

Não é nossa especialidade a ciência da economia, nem é o objeto deste rápido texto, mas a verdade é que tudo indica que o tiro saiu pela culatra. Em verdade, os especialistas do ramo têm entendido de que estimular o consumo é apenas um passo dado para aquecer a economia, mas não o único.

O problema, exaustivamente tratados por estes “experts”, estaria não em consumir, mas em dá as condições para a continuidade da produção e do consumo: infraestrutura (estrada, fábricas, portos, aeroportos, linhas de transmissão, hidrelétricas, etc).

Perda de produtividade

A conseqüência desta aposta errada, por assim chamar, é que cada vez mais tem sido provado de que o trânsito inchado eleva os custos: há perdas de produtividade, pois as pessoas demoram a chegar ao trabalho; quando chegam na hora, estão cansadas e, claro, tem menor rendimento.

Além disso, os números jogam luz no fato de que os automóveis tem mais desgaste, gasta-se mais combustível, gastos adicionais com peças, manutenção (não adianta dizer que isso gera mais consumo e logo movimenta a economia.

A questão é que, mesmo que isso seja verdade, apenas uma porção do mercado ganharia com isso – a rede de postos, de seguros e de oficinas – o que não resolve o problema).

A cascata de problemas não para por ai. Os jornais têm mostrado que este estímulo desenfreado á compra de automóveis conduziu á conseqüente aumento de combustível. O Brasil, que chegou a ser auto-suficiente neste produto, passou a importá-lo; pior para os gastos do governo que com as contas desequilibradas tende a mexer em outros indicadores que nos causam efeito: taxa de juros, desemprego estimulado, redução do aquecimento.

Ora, os automóveis não promoveriam maior consumo e mais dinheiro circulando? Pois é, parece que é um tiro no pé (com o perdão do clichê).

O novo caminho

Não nos vem uma solução pronta ou apontar um novo caminho. O caso é por demais complicado – e nem seria honesto bancar o arauto da genialidade para tal neste momento.

Contudo, a questão é que já passou da hora da sociedade sobre rodas refletir e saber qual caminho a ser trilhado. Vale a pena trilhá-lo apenas sobre rodas mesmo? os caminhos alternativos são demais caros (não somente no bolso, mas nos hábitos)?.

No próximo texto ousaremos discutir parte disso e as óbvias consequências à gestão ambiental das cidades.

*Ronaldo Santos é engenheiro agrônomo, servidor público federal de carreira e acadêmico de Direito.

Os artigos assinados neste Portal, são de inteira responsabilidade de seus autores e necessariamente não refletem a opinião do site.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.