Santos vence Goiás e conquista a Copinha pela segunda vez na história

Amazonianarede – Agências

São Paulo – Dos 100 clubes que iniciaram a 44ª Copa São Paulo, Goiás e Santos passaram por seus adversários e se enfrentaram nesta sexta-feira (25), data de aniversário de 459 anos da Cidade de São Paulo, no estádio do Pacaembu, pelo título da competição. Com um futebol envolvente, o time do Santos vence a partida por 3 a 1 e conquista pela segunda vez em sua história o título de campeão da Copa São Paulo.

CAMPANHAS

Para chegar à decisão, o Goiás iniciou sua caminhada na cidade de Leme, no Grupo L. Bateu todos os adversários: venceu por 3 a 0 o Guarani (SP), por 3 a 2 o outro Guarani (este do Sergipe) e despachou o anfitrião Lemense por 3 a 1. Na segunda fase, a equipe não tomou conhecimento do Vasco da Gama e aplicou uma goleada de 5 a 1. Contra o Mogi Mirim, nas oitavas, vitória por 2 a 0.

As quartas de final e a semifinal foram jogos de provação para a equipe do Centro-Oeste. Contra o São Paulo, empate por 2 a 2 e vitória nos pênaltis por 5 a 3. Penalidades mais uma vez contra o Bahia na partida que definiria o finalista. Placar igual no tempo regulamentar (1 a 1) e mais um resultado positivo nas penalidades, desta vez por 3 a 0, brilhando a estrela do goleiro Paulo Henrique.

Com tal campanha, o Goiás chegou à final com o retrospecto de cinco vitórias, dois empates e nenhuma derrota, com 13 gols de saldo (20 a favor e sete contra).

Presente no Grupo V, com sede em Jaguariúna, o Santos fez uma boa estreia ao bater o Remo (PA) por 3 a 0. Na segunda rodada, nova vitória, 1 a 0 contra o São Mateus (ES). Na última rodada, a equipe da Vila Belmiro conquistou apenas um ponto ao empatar sem gols com o Corinthians (AL).

Assim como o rival da final, o Santos venceu seu adversário da segunda fase por 5 a 1. A vítima foi o Náutico (PE). E da mesma forma que o Goiás, passou por dois adversários na disputa de penalidades, porém, nas oitavas de final – passou pelo Grêmio Osasco por 4 a 3 após empate no tempo regulamentar por 1 a 1 – e nas quartas – o Audax ficou pelo caminho após mais um 4 a 3.

A semifinal foi disputada contra o Palmeiras, um clássico com show do jovem Neílton que marcou os três gols da equipe na vitória por 3 a 2. A campanha da equipe da Vila Belmiro teve quatro vitórias, três empates e nove gols de saldo, sendo 14 a favor e cinco contra.

Diferente do Goiás, o Santos já possuia um título da Copinha (venceu o Corinthians em 1984), além de outras duas participações na decisão. Foi vice em 1982 (derrotado pela Ponte Preta) e em 2010 (vencido pelo rival São Paulo).

O JOGO

O jogo começou com a equipe paulista no ataque, tocando a bola em velocidade, marcando sob pressão os atletas goianienses e criando oportunidades reais de gol.

Aos seis minutos, o goleiro Paulo Henrique faz grande defesa no arremate de Givanildo. Após cobrança de falta de Pedro Castro, aos 11, Givanildo chuta por cima da meta do Goiás.

O Santos encurrala o Goiás, que não consegue sair para o ataque. Aos 15, o santista Emerson avança pela esquerda, bate cruzado e Paulo Henrique desvia a escanteio.

Aos 20 minutos, a defesa santista se atrapalha na saída de bola, o goiano Erik domina e bate no canto esquerdo, obrigando o goleiro Gabriel Gasparotto a fazer a defesa.

O Goiás equilibra as ações após o vigésimo minuto e já chega algumas vezes no ataque.

Aos 32, Lucas manda uma bomba de fora da área e o goleiro Paulo Henrique se estica todo para espalmar.

Emerson consegue roubar a bola na bobeada do zagueiro do Goiás, aos 33, tenta o drible e sofre pênalti. Pedro Castro cobra no canto esquerdo e abre o placar no Pacaembu. A torcida santista vai ao delírio.

Na saída errada do sistema defensivo goianiense, aos 37, Neílton domina, avança em velocidade e toca sutilmente por cima do goleiro Paulo Henrique para ampliar a contagem para o Santos.

Com Arthur no lugar do zagueiro Allef, o Goiás voltou para o segundo tempo mais ofensivo e foi exatamente Arthur quem diminuiu o placar aos três minutos. O atleta do Goiás domina na entrada da área e bate cruzado, sem chance de defesa para Gabriel Gasparotto.

Aos sete minutos, Erik sofre pênalti, mas Liniker bate para fora, para alívio da torcida santista no Pacaembu.
O Goiás marca sob pressão, mas oferece o contra-golpe para o Santos. Aos 17, em rápida triangulação e toques ligeiros, Givanildo recebe na área e toca na saída do goleiro Paulo Henrique para fazer Santos 3 a 1.

Givanildo faz grande lance pela esquerda aos 18. Ele ganha do zagueiro Péricles e cruza na medida para Givanildo finalizar rente à trave direita do Goiás. A partida é emocionante na segunda etapa.

Em rápida troca de passes aos 25, Erik recebe pela esquerda e finaliza para fora, perdendo grande oportunidade de diminuir para o Goiás.

O Goiás se lança totalmente ao ataque nos minutos finais, mas o sistema defensivo do Peixe está bem postado e resiste às investidas adversárias.

O time santista passa a cadenciar o jogo, enquanto o Goiás não desiste, mas a vitória do Santos permanece até o apito final.

O Santos é Campeão da 44ª Copa São Paulo e o público de mais de 25.000 torcedores faz a festa no Pacaembu.

Ficha técnica

Santos 3 x 1 Goiás/GO
Local: Estádio Paulo Machado de Carvalho – Pacaembu.
Árbitro: Leonardo Ferreira Lima;
Assistentes: Fabrício Porfírio de Moura e Marcos Rodrigues Monteiro;
Quarto árbitro: Douglas Perrone Katayama;
Santos: Gabriel; Alisson, Wallace, Jubal e Emerson; Lucas Otávio, Leandrinho, Pedro Castro e Léo Cittadini (Paulo Ricardo); Neilton (Lucas Crispim) e Givanildo (Diego Cardoso).
Técnico: Claudinei Oliveira.
Goiás/GO: Paulo Henrique; Péricles, Felipe, Allef (Artur) e Mário Sérgio; Túlio, Rodrigo, Liniker e Jarlan (Murilo); Paulo (Caio) e Erik.
Técnico: Augusto Souza.
Gols: Santos: Pedro Castro (pênalti), 34’ 1T, Neílton, 37’ 1T, Givanildo, 17’ 2T; Goiás/GO: Arthur, 03’ 2T.
CA: Santos: Leó Cittadini, Leandrinho; Goiás/GO: Péricles, Túlio. 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.