SALVEM A RODOVIA DA INTEGRAÇAO

,Jorn. Osny AraújoARAUJO OSNYOsny Araújo*

Neste artigo, vou me reportar a um assunto que me traz grandes e boas recordações, isso ocorreu no início da minha vida profissional como repórter do centenário Jornal do Comercio e como chefe do jornalismo da TV Baré, hoje TV A Critica.

Nessa época, o Brasil vivia o regime militar, quando certo ou errado, o lema era “integrar para não entregar” assim, surgiu a Zona Franca de Manaus, o maior e mais bem sucedido modelo de desenvolvimento regional, veio para o Amazonas o Comando Militar da Amazônia, a BR-174, ligando Manaus a Boa vista e tantas outras coisas e entre elas, uma rodovia federal, que bem poderia ser chamada rodovia de integração construída pelo Governo Militar que o civil esta deixando acabar, inteiramente abandonada, com apoio de pesquisadores e ambientalistas fanáticos e inimigos da região.

A rodovia BR-319 tem 877 km e liga Porto Velho/RO a Manaus. Foi construída entre o final da década de 1960 e início da década de 1970. Fazia parte do projeto de expansão e ocupação da Amazônia pelo regime militar, que via essa região como “desabitada”, uma “terra sem homens” e propagava o lema “integrar para não entregar”, vislumbrando uma fantasiosa investida internacional sobre a soberania do Brasil na Amazônia.

A rodovia BR-319 (Manaus-Porto Velho) grandiosa obra na imensidão da Amazônia, a época um grande desafio para a engenharia da empresa Andrade Gutierrez, que tive o prazer de cobrir para JC o início das obras nos idos de 1968 e a sua inauguração em 76, quando finalmente Manaus se integrava ao aos demais estados brasileiros por terra, ar, e água. É pena que esse sonho de integração durasse pouco temo, com o descaso que o Governo civil dedicou a região e especialmente a essa tão importante obra.

Governava o Amazonas, o saudoso coronel João Walter de Andrade, com quem fiz uma boa e fraterna amizade. O diretor geral do Departamento de Estradas de Rodagens do Amazonas, o todo poderoso DERAM, era o engenheiro Orlando Holanda, que fiscalizava a obra federal e Ministério dos Transportes tinha o comando do também saudoso, ministro dos Transportes, Mário David Andreazza e juntos realizamos várias visitas ás obras da BR que naquele tempo representava um grade desafio para a engenharia.

As obras caminharam até que em 1976, saímos de Manaus a Porto Velho de carro pela Rodovia. Estava inaugurada a BR-319 e o Amazonas definitivamente integrado ao Brasil e mais ligado ao Atlântico, Pacífico e ainda ao Caribe.

Com o fim do regime militar, voltamos a repirar democracia, mas por incrível que pareça a partir daí, a nossa BR começou a agonizar ainda hoje se encontra- na UTI, por falta de vontade política e do fanatismo que envolve ambientalista, que lutam com todas as forças para que essa importante rodovia não seja recuperada, apesar das insistentes promessas dos presidentes da República, como Fernando Henrique Cardoso que chegou a mandar elaborar um projeto para reconstrução da rodovia, que nunca saiu do papel e das promessas do ex-presidente Lula e da presidente Dilma.

Apesar disso a obra não anda, porque o famigerado IBAMA não deixa e tudo começou no Governo Lula, que colocou a fanática ambientalista Marina Silva, no Ministério do Meio Ambiente que fez o que pode para impedir a restauração da BR-319. Essa posição da ministra acreana parecia ser ponto de honra, mesmo sendo ministro dos Transportes, o deputado pelo Amazonas, Alfredo Nascimento, que chegou a ensaiar alguma coisa, mas não teve fôlego para vencer os inimigos da rodovia.

A bem verdade, no meu entendimento faltou vontade política dos nossos das nossas bancadas no Congresso Nacional e até na Assembleia Legislativa e o engajamento das lideranças empresariais forçando a barra e mostrando a necessidade da BR pra socioeconomia da região, que ainda hoje é muito esquecida pelos grandes centros e se não é desconhecida é quase ignorada pelos poderes da República e da grande mídia e grande parte dos brasileiro que ignoram a Amazônia e a sua importância para o Brasil e para o planeta, coisa que os estrangeiros sabem e sobre e sabem da importância em todos os sentidos desta fantástica Amazônia.

Com o funcionamento da BR, Rondônia que é forte no agronegócio, poderá exportar para Manaus com fretes mais baratos e de Manaus, sairão os produtos do PIM, sem a utilização das balsas modal transporte rodo-fluvial, substituído pelo rodoviário, menores custos. Sem contar que as pessoas poderão viajar pelo Brasil em coletivos interestaduais pelo Brasil, dispensando as caras passagens aéreas, entre outras vantagens.

Agora, parece os ventos começam a soprar a favor da nossa rodovia. Uma comitiva de parlamentares e empresários percorreu na semana passada os seus 878 km e chegaram à conclusão, de que os embargos ambientais não tem razão de ser. Primeiro porque a rodovia esta aberta e os cuidados com o meio ambiente são necessários, mas, certamente existem outros recursos pra garantir a sua preservação, por isso, os parlamentares que participaram de um audiência publica na Assembleia Legislativa ao do Estado, preparam um minucioso relatório para ser entregue as autoridades competente em Brasília, na tentativa derrubar o embargo para que as obras de recuperação da BR possam ser retomadas para que dentro em breve, possamos voltar a ter em pleno funcionamento essa importante rodovia de integração.

Não somos contra a natureza e não apoiamos o desmatamento e a destruição do meio ambiente e da biodiversidade, mas defendemos o direito dos amazonenses, deste estado distante dos grandes centros e quase esquecido, tem o direito que os demais brasileiros têm e não serem punidos por viverem numa região fantástica, rica e exuberante como a Amazônia, ficarmos alijados das asas do progresso e da modernidade.

Estou nessa corrente, embora saiba da existência de muitos pesquisadores e ambientalistas fanáticos, de prestígio no país e até no mundo, trabalhando e torcendo conta a materialização desse sonho amazônico, especialmente das populações do Amazonas e Rondônia. Políticos e liderança da Amazônia chegou a hora de todos se unirem num verdadeiro cabo de guerra com o objetivo ajudar a salvar essa importante rodovia de integração nacional.

*Osny Araújo é jornalista e analista político.

E-mail: osnyarujo@bil.com.br/amazonianarede-@gmail.com

 

Valendo

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.