Roraima: pontes quebram e deixam alunos sem aula

Pais de alunos e servidores da Escola Estadual José Pereira de Araújo, na Vila do Roxinho, em Mucajaí, a 55 quilômetros da Capital pela BR-174, região Centro-Sul de Roraima, reclamam de quatro pontes quebradas de madeira, duas na vicinal 5 e duas na 12, já no Município de Iracema.

Danificadas, as estruturas colocam em risco a vida dos estudantes. Alguns inclusive já teriam deixado de estudar, segundo denunciantes.

Professora que preferiu não se identificar lembrou que, em abril passado, servidores da escola informaram aos órgãos competentes sobre a precariedade das pontes, o que poderia acabar comprometendo o ano letivo dos alunos. “Mas nada foi feito e agora as crianças estão deixando de ir à escola porque o governo não se antecedeu aos problemas ocasionados pelas chuvas”, lamentou.

A escola José Pereira de Araújo, que fica a 35 quilômetros da sede de Mucajaí, tem cerca de 270 alunos da 1ª séria até o 3º ano do Ensino Fundamental. Professores lamentaram que algumas crianças já teriam deixado de estudar devido às péssimas condições das vicinais e das pontes.

Segundo os denunciantes, o ônibus escolar deixou de pegar os alunos porque não cruza mais as pontes. “Os pais estão dando um jeito de levar os filhos à escola. Vão de bicicleta, andando, de moto. No mês passado, alguns se reuniram para consertar as pontes, levaram motosserra e tiraram as pranchas. Mas o serviço foi improvisado, por isso as tábuas logo ficaram soltas e foram arrastadas pelas águas da chuva”, relatou.

SEINF – O Departamento Estadual de Infraestrutura de Transportes (Deit) da Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinf) informou que já abriu procedimento para realização de processo licitatório, a fim de contratar empresa para fazer a reconstrução de pontes de madeira em Iracema. Com isso, as pontes localizadas nas vicinais serão recuperadas.

(Fonte: Folha BV)

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.