Reunião técnica discutiu detalhes do Plano Safra 2013/14 no Amazonas

(Fonte: Ascom – Incra-AM)

Todos os procedimentos e passos que deverão ser dados pelos agricultores familiares da reforma agrária ou não, para a construção de caminhos para a obtenção de crédito do Pronaf, dentro do Plano Safra -2013/14, foram abordados hoje durante uma reunião técnica, no auditório da superintendência do INCRA, para uma plateia repleta de técnicos de vários órgãos que atuam no sistema e de interessados em saber das novidades inseridas no Plano Safra, que já lançado no Amazonas, deverá disponibilizar crédito da ordem de 150 milhões, nas diferentes modalidades, mas esse valor poderá aumentar de acordo com a demanda, segundo anunciou o Delegado Federal do Ministério do Desenvolvimento Agrária (MDA), Arivan Ribeiro Reis.

A palestra que abordou várias questões, como: conquista e manutenção crédito; alterações no crédito rural, instrumentos para a formalização do crédito; programa de garantia de preços para a agricultura familiar; controle das operações de crédito e seguro da agricultura familiar; foram abordados com detalhes e linguagem simples pelo diretor do Departamento de Financiamento à produção de Produção, do SAF-MDA, João Luiz Guadagnin.

Importância da DAP

O palestrante da oficina técnica, João Luiz Guadagnin, ocupou grande espaço do tempo falando da importância da Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), documento abre todos os caminhos da operação de crédito, por isso, deverá ser feito com sinceridade e verdadeiro, considerando que as informações que geram o documento são de responsabilidade dos interessados, no caso, dos agricultores familiares, que precisão cumprir algumas normas para que possam ingressar no sistema. “Sem a DAP, não haverá crédito” – afirmou.

Vários órgãos atuarão no processo de formalização das DAPs, como os técnicos do IDAM, Sindicatos Rurais, Associações e o INCRA, este último com a responsabilidade de viabilizar o fornecimento do documento para os assentados e beneficiários da reforma agrária, considerando que na linha de crédito do Pronaf, existe uma específica para os assentados.

Guadagnin, explicou ainda que de maneira geral as DAPs tem a validade de três anos, mas de acordo com as circunstâncias e necessidades, poderão ser alteradas a qualquer momento, desde que os agricultores justifiquem essa necessidade, junto aos órgãos emitentes da DAP e ao banco que irá liberar o crédito.

Desenvolvimento Rural

Amanhã (11), o MDA através da delegacia no Amazonas, promoverá uma nova reunião no auditório do INCRA, para a preparação do Amazonas para a II Conferência Nacional de Desenvolvimento Sustentável e Solidário.

Esse importante encontra, deverá acontecer em Brasília, no mês de outubro, para o qual o Amazonas deverá enviar trinta e dois delegados, representando os sete Territórios da Cidadania que existem no Amazonas, segundo anunciou o delegado Arivan Reis.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.