Projeto dos corredores exclusivos para ônibus tramita na CMM

(Foto: Sérgio Costa)

A Prefeitura encaminhou para a Câmara Municipal de Manaus (CMM), Projeto de Lei que autoriza o Poder Executivo a contratar financiamento com a Caixa Econômica Federal no valor de R$ 200 milhões para a implantação dos corredores exclusivos e requalificação urbana nos principais eixos do transporte coletivo de Manaus.

O PL foi deliberado pelos vereadores nesta terça-feira (24), que ainda aprovaram a solicitação do Executivo para apreciação do projeto em caráter de urgência para dar celeridade na votação do projeto na Casa. A proposta recebeu o número 383/2013 e foi encaminhada para a 2ª Comissão de Constituição, Justiça e Redação.

De acordo com parágrafo único do projeto, os recursos resultantes do financiamento a ser autorizado pela Lei, no valor de R$ 200 milhões, serão obrigatoriamente aplicados na execução de empreendimentos integrantes do Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana (Pro Transportes), promovido pelo Ministério das Cidades, com objetivo de implantar corredores exclusivos, faixas preferenciais e promover a requalificação urbana nos principais eixos do transporte coletivo de Manaus.

Na mensagem 41, o Executivo destacou a importância da realização das obras para o incremento do turismo pelas melhorias urbanas na cidade, principalmente com a realização da Copa do Mundo de 2014. Importância lembrada pelos vereadores que pediram pressa na aprovação do projeto. O líder do prefeito Wilker Barreto (PHS) e o vice-líder do prefeito Rozenha (PSDB) lembraram que as obras precisam começar o quanto antes. “Manaus precisa ter o quadrilátero da Copa recapeado, as vias exclusivas prontas para colocar mais velocidade no trânsito. Esses são os objetivos que levaram a prefeitura a adquirir esse empréstimo. Garantir esses R$ 200 milhões são apenas a ponta do iceberg, muito mais ainda será investido”, afirmou Rozenha. Também manifestaram apoio ao projeto e à tramitação em caráter de urgência, os vereadores Carlos Alberto (PRB), Felipe Souza (PTN), Roberto Sabino (PRTB), Rosivaldo Cordovil (PTN) e Mário Frota (PSDB).

Discussão

Waldemir José (PT) pediu que houvesse uma maior discussão em torno do empréstimo e da aplicação desses recursos pela prefeitura. Na mesma linha, professor Bibiano (PT) ressaltou que a população tem o direito de saber para onde exatamente vão esses recursos e como ele é usado, mas reconheceu que Manaus precisa das obras de recapeamento para melhorar a vida dos moradores de bairros mais carentes que não têm asfalto.

Os impactos do empréstimo para as administrações futuras chegou a ser contestado pelo vereador Gilmar Nascimento (PDT), que teve do vereador Marcelo Serafim (PSB) a informação que a Prefeitura de Manaus ainda tem cerca de R$ 3 bilhões de crédito para pedir financiamentos, de acordo com a Lei, como citou. “A divida consolidada da Prefeitura é de R$ 448 milhões, isso é tudo que ela deve e terá que pagar com prazos estendidos e carências. Ainda vejo no site oficial do Governo Federal que a prefeitura de Manaus ainda tem mais de R$ 3 bilhões para pedir em financiamento”, esclareceu.

O quarto e último parágrafo do projeto prevê que o Poder Executivo consignará nos orçamentos anuais e plurianuais do Município de Manaus, durante os prazos que vierem a ser estabelecidos para empréstimos, financiamentos ou operações de credito por ele contraídos, dotações suficientes à amortização do principal, encargos e acessórios resultantes, inclusive os recursos necessários ao atendimento da contrapartida do município de Manaus no projeto financiado pela caixa econômica federal, como autorizado pela Lei.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.