Prefeita de Pauini responde pelo crime de compra de votos

Pauini
Pauini
Amazonianarede – Portal do Purus

Pauini, AM – A atitude de cidadãos destemidos está causando uma significativa reviravolta no ambiente político e administrativo de Pauini.

Pela primeira vez na história do município, uma ação levou ao ‘banco dos réus’ um gestor público, que está respondendo pelo crime de captação ilícita de sufrágio universal, a famigerada compra de votos. Um cabedal de provas contundentes foi apresentado em juízo e coloca em xeque a validade da vitória da prefeita reeleita Maria Barroso.

A ação foi promovida pela coligação ‘Pauini do Futuro’, que foi encabeçada pela então candidata Eliana Amorim. O processo se chama Ação de Investigação Judiciária Eleitoral (AIJE), contra a prefeita Maria Barroso e grande parte do seu secretariado.

Depois da reunião de provas e da apresentação das mesmas em juízo, o mandato de Maria Barroso está enfrentando a desconfiança da legitimidade. O julgamento foi realizado durante os dias 9 e 10 de janeiro, e colocou no banco dos réus a Prefeita de Pauini e os chefes das pastas envolvidos no escândalo.

Testemunhas

No banco das testemunhas passaram pessoas de todas as classes sociais, desde o pequeno agricultor ao grande comerciante. Por parte da acusação, estavam eleitores assediados a votarem na prefeita em troca de ‘benefícios’. Dez pessoas contaram terem sido alvos da barganha irregular.

Por outro lado, os empresários Ednaldo Afonso Lopes e José Morais da Silva, acusados de serem o elo de ligação entre os compradores de votos e os eleitores assediados, negaram qualquer participação na trama.

Casas para ‘alagados’

A justificativa da construção das casas para os eleitores está embasada em ajuda humanitária para as vítimas da enchente que assolou a área de várzea do município. Entretanto, a maioria das casas foi construída em locais de terra firme, onde não há risco de alagamento. É importante frisar que as construções foram erguidas em pleno período eleitoral.

Também nesse período, houve a distribuição de cestas básicas, material de construção até dinheiro em espécie, com a mesma desculpa de ajudar os desabrigados. Mas, as prováveis vítimas da alagação só vieram receber o auxílio nos meses de junho, julho, agosto e setembro, período em que as águas já tinham baixado e na exata ocasião da efervescência do pleito eleitoral de 2012.

Ribeirinhos passam necessidade e moradores da terra firme recebem ‘ajuda’

Outras indagações da coligação recorrente, é que a ajuda foi destinada a pessoas que não passaram por critérios rígidos de seleção e não tiveram o nome incluído em programas específicos. De acordo com membros da coligação ‘Pauini do Futuro’, está clara a prática abusiva do poder político e financeiro da máquina pública, que de acordo com eles é muito mal gerenciada.

“Os ‘benefícios’ foram dados na sua grande maioria para moradores da zona urbana e de áreas de terras firmes, enquanto que o ribeirinho ficou a mercê, passando todo tipo de necessidade”, disse um dos membros da coligação.

Testemunho sem medo

Os representantes da coligação promotora da ação elogiaram a participação das testemunhas, uma vez que, esses viveram momentos de pressão, com o grupo da prefeita coagindo homens simples a contarem versões fantasiosas sobre o fato.

Para a história

Para as lideranças da coligação, esse fato é histórico, por ter levado a júri um gestor majoritário, fato que nunca aconteceu em Pauini, principalmente porque os prefeitos que já geriram o município sempre se arvoraram no direito de cometer todo e qualquer tipo de improbidade e se manterem ilesos. A coligação espera que seja feita justiça e que a captação ilícita de votos condene os envolvidos.

Segundo os membros da coligação, todo esse processo está gerando uma mudança de atitude na mentalidade do cidadão pauiniense, que durante mais de 50 anos se viu arraigado em princípios do coronelismo de barranco, e agora vislumbra a oportunidade de cobrar condutas transparentes dos gestores públicos.

Maria Barroso terá que se explicar duas vezes pelo mesmo motivo

Outra ação está sendo capitaneada pelo Ministério Público. O motivo também passa pelo crivo da compra de votos. No mês de abril, o mandato da prefeita será colocado em xeque mais uma vez. Caso seja condenada, a prefeita irá perder o mandato e será privada de direitos políticos.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.