Preço da cesta básica cai em 15 capitais, em Manaus se mantém estável

Preço da cesta básica, estável em Manaus
Preço da cesta básica, estável em Manaus
Preço da cesta básica, estável em Manaus

Brasil – O preço dos alimentos considerados essenciais no dia a dia caíram em agosto, na comparação com julho, em 15 das 18 capitais onde é feita a Pesquisa da Cesta Básica de Alimentos pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Porém, no acumulado dos últimos 12 meses, período entre setembro de 2014 e agosto de 2015, e também desde janeiro deste ano, a cesta ficou mais cara nas 18 capitais pesquisadas.

Em Manaus, a cesta básica de Manaus permaneceu praticamente com o preço estável no mês de agosto, com o valor de R$ 340,59, em comparação a julho, quando o custo era de R$ 340,84. A redução foi de apenas 0,07%, segundo pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgada nesta sexta-feira (4). A capital ocupa a 8ª colocação dentre as 18 cidades onde o levantamento é realizado.

Na comparação com o mês anterior, entre as 15 localidades com valor em baixa, as que tiveram maior recuo foram: Fortaleza (-4,60%); Salvador (-4,02%); Brasília (-3,46%) e Rio de Janeiro (-2,77%). Os preços subiram mais em Porto Alegre (1,2%) e João Pessoa (0,28%). Na capital pernambucana, Recife, o valor permaneceu estável em 0,01%.

No mês passado, a cesta mais cara foi a de Porto Alegre (R$ 387,83), seguida pela de São Paulo (R$ 386,04, valor que ficou 2,47% abaixo do de julho e 14,28% acima do de igual mês do ano passado). Os valores mais baixos foram encontrados em Aracaju (R$ 283,02), Natal (R$ 286,36) e Salvador (R$ 305,11).

Pelos cálculos do Dieese, o salário mínimo necessário para garantir o sustento das famílias deveria ser de R$ 3.258,16 ou 4,13 vezes mais o valor atual vigente, R$ 788. No mês passado, o mínimo foi estimado em R$ 3.325,37, equivalente a 4,22 vezes o piso em vigor. Em igual mês do ano passado, o valor tinha sido calculado em R$ 2.861,55 ou 3,95 vezes o mínimo naquele período que era de R$ 724.

Em comparação com julho, caiu ligeiramente o número de horas de trabalho que o Dieese considera necessárias para obter o valor ideal para aquisição da cesta, passando de 95 horas e 29 minutos para 93 horas e 46 minutos. Ainda assim, o brasileiro está tendo de trabalhar mais em relação a um ano atrás, quando a jornada acumulada para a compra da cesta era de 90 horas e 7 minutos. O trabalhador também está comprometendo menos a renda, passando de 47,18% em julho para 46,32%. Em agosto do ano passado, a compra da cesta comprometia 44,53% dos ganhos dele.

Produtos em queda

Entre os itens em queda na maioria das capitais estão a batata, o tomate, o feijão e o óleo de soja. Ao todo, sete produtos apresentaram alta e cinco tiveram queda nos seus preços no mês analisado, influenciando o custo total.

A banana (5,29%) foi o produto que apresentou maior alta no mês seguido da manteiga (5,01%), do leite (1,94%), da carne (0,84%), do café (0,7%), do pão (0,66%) e do feijão (0,18%). Por outro lado, o óleo (-6,63%) foi o produto que apresentou a maior queda no mês seguido do tomate (-4,36%), da farinha (-4,29%), do açúcar (-2,06%) e do a Ao todo, sete produtos apresentaram alta e cinco tiveram queda nos seus preços no mês analisado, influenciando o custo total. A banana (5,29%) foi o produto que apresentou maior alta no mês seguido da manteiga (5,01%), do leite (1,94%), da carne (0,84%), do café (0,7%), do pão (0,66%) e do feijão (0,18%).

Por outro lado, o óleo (-6,63%) foi o produto que apresentou a maior queda no mês seguido do tomate (-4,36%), da farinha (-4,29%), do açúcar (-2,06%) e do arroz (-1,89%).rroz (-1,89%).

Entre os que subiram mais aparecem o pão francês, o leite, a carne bovina e o café.

Amazonianarede-Agencia Brasil

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.