Petrobras quer novos reajustes dos combustíveis

A sequência de reajustes nos preços da gasolina e do diesel este ano levou a área de refino da Petrobras ao menor prejuízo em dois anos: R$ 2,5 bilhões no segundo trimestre de 2013.

Mesmo assim, a empresa já pressiona o governo por novos reajustes, preocupada com os efeitos do câmbio nos gastos com importação de combustíveis no terceiro trimestre. Com índice de alavancagem (investimento sobre patrimônio líquido) próximo do limite considerado ideal, a empresa quer evitar a perda do grau de investimento, diante da deterioração da geração de caixa.

Iniciada no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a queda de braço entre Petrobras e a área econômica do governo ganhou força depois da posse de Graça Foster na presidência da empresa, em 2012. Se antes a companhia limitava-se a dizer publicamente que exercia uma “política de preços de longo prazo”, agora não tem receio de repetir que faz gestões junto ao acionista majoritário para recuperar suas margens com reajustes de preços. Apenas este ano, três aumentos foram autorizados – dois para o preço da gasolina e um para o diesel.

O balanço do segundo trimestre mostra o efeito dos reajustes, com alta de 13% no lucro operacional, frente ao primeiro trimestre, para R$ 11,1 bilhões. Em entrevista para explicar o resultado, concedida ontem, porém, o diretor Financeiro da empresa, Almir Barbassa, disse que tem “trabalhado intensamente” por ajuste dos preços domésticos. A Petrobras não abre seus números, mas a consultoria Tendências calcula que a disparada do dólar na virada do semestre elevou a defasagem do preço da gasolina para 32,5%. No caso do diesel, a diferença entre os preços internos e a cotação internacional é de 26,9%.

Barbassa disse que, nas condições atuais, a Petrobras deve ultrapassar, ao fim do terceiro trimestre, o teto de alavancagem que considera ideal, de 35% – ao fim do segundo trimestre, quando a empresa captou US$ 15 bilhões, o indicador fechou em 34%. Isso porque, ao usar caixa para investimentos, a companhia reduzirá seu patrimônio líquido. Barbassa ponderou que as perspectivas de crescimento da produção devem sensibilizar as agências de risco a manter a classificação da empresa. A perda do grau de investimento afugenta investidores e aumenta os custos de captação.

“A situação de caixa é preocupante. Foi só a empresa falar que vai consumir mais caixa no terceiro trimestre que as ações começaram a cair”, apontou o economista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi. De fato, as ações da estatal fecharam o pregão de ontem com queda de 3%. “A principal preocupação do mercado é a estrutura de capital”, completa. A Petrobras fechou o trimestre com R$ 51 bilhões em caixa, quase o dobro do registrado no trimestre anterior. Mas tem compromissos com investimentos de valor semelhante até o final do ano.

Criticado por investidores, o controle dos preços dos combustíveis vem tendo participação importante no combate à inflação, pondera o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito. “Dado que a Petrobras é uma empresa estatal, e os investidores sabem disso desde o momento em que compram as ações, porque não usá-la no controle à inflação?”, questiona ele. “Ninguém ainda parou para contabilizar qual seria a redução do crescimento da economia se a inflação tivesse subido mais”, completa, lembrando que a gasolina é o segundo item commaior peso no IPCA, com 4,20% de participação.

Segundo Perfeito, um reajuste de 5% no preço da gasolina resulta em alta de 0,20 ponto percentual na inflação. É por este motivo que o consultor da Tendências Walter de Vitto acredita que o governo deve autorizar apenas reajuste no preço do diesel este ano. “No cenário atual, com os protestos nas ruas, não vejo aumento da gasolina. Mas no caso do diesel, o impacto na inflação é mais diluído”, argumenta. Nas suas contas, uma alta de 7,5% no preço do diesel ainda este ano ajuda a Petrobras – é o combustível mais importado pelo país – sem que o IPCA estoure, no final do ano, o teto da meta estipulado pelo governo, de 6,5%.

Perfeito também acredita que haja espaço para reajustes, diante do recuo da inflação em julho. Um aumento agora teria impacto positivo sobra a imagem da empresa, argumenta, atraindo investidores estrangeiros para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). “Combater inflação segurando preços provoca distorções no mercado e reduz o incentivo à expansão da oferta”, avalia Vitto. “É uma conta complexa: tem o lado visível, que é a inflação, mas tem o lado dos investimentos da Petrobras, que resultam em incremento da atividade econômica”, completa o consultor.

Importações de combustíveis caem no segundo trimestre

Para tentar conter as perdas com a defasagem de preços, a Petrobras vem investindo em refinarias para reduzir as importações de combustíveis. No segundo trimestre de 2013, registrou uma redução de 66% nas compras de gasolina e diesel no exterior, fechando o período com uma importação média de 81 mil barris por dia dos dois combustíveis. O Brasil já foi exportador de gasolina, mas o crescimento da frota de automóveis e frustrações com a oferta de etanol puseram fim aos excedentes.

A melhora na balança comercial de combustíveis da Petrobras, porém, deve ser revertida no terceiro trimestre, quando duas refinarias param para manutenção, a Refinaria Gabriel Passos, em Minas Gerais, e a Refinaria do Henrique Lage, em São Paulo. Juntas, as duas têm capacidade para produzir 400 mil barris de derivados de petróleo por dia.

Em contrapartida, as exportações da empresa também caíram no trimestre, para 359 mil barris por dia – basicamente, são vendidos petróleo bruto e óleo combustível. O valor é 12% menor do que o registrado no primeiro trimestre e 35% menor do que o registrado no mesmo período do ano anterior. A empresa espera ampliar as exportações com o início de operações de quatro novas plataformas até o fim do ano.

Alta do dólar será diluída em sete anos

O diferimento do impacto cambial no resultado financeiro da Petrobras poderá ocorrer em cerca de sete anos, prazo médio da dívida da estatal, disse ontem o diretor financeiro da empresa, Almir Barbassa. O lucro líquido da petroleira no segundo trimestre superou as expectativas do mercado com uma mudança contábil para reduzir o efeito da alta do dólar
na dívida.

A nova contabilidade teve um impacto positivo da ordem de R$ 5 bilhões no lucro de R$6,2 bilhões de reais. “A contabilidade de hedge coloca os números da empresa alinhados com o caixa”, afirmou Barbassa durante entrevista de detalhamento no balanço da companhia. A medida foi usada para reduzir os impactos da variação cambial ao final do primeiro trimestre.

Como resultado deste efeito benéfico da mudança contábil, a Petrobras poderá distribuir dividendos adicionais de R$ 600 milhões de para detentores de ações ordinárias na segundo semestre, acrescentou o executivo. “Não é distribuição extra, mas o que pode haver é a aprovação pelo Conselho de Administração (do dividendo a mais). Agora com lucro líquido maior, que não foi afetado pela variação cambial, há a oportunidade de aumentar participação das ONs nos dividendos”, afirmou.

Mas o executivo pondera que a distribuição de dividendos além do esperado terá de passar ainda por decisão do Conselho e de acionistas. “Até o fim do ano ainda tem muita água para correr.” Segundo ele, a distribuição de dividendo para ações preferenciais deverão ter valor definido por percentual de 3% do patrimônio líquido. Barbassa explicou ainda que pela nova contabilidade, se o dólar recuar, o valor de perda cambial que migrou para patrimônio líquido será retirado do resultado.

Caso contrário, se a moeda americana permanecer elevada, a empresa vai descontar tais perdas da receita com exportações, e a diluição será realizada ao longo de vários anos. O resultado do trimestre também teve efeito pontual de venda de ativos.

(Reuters)

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.