Parada Gay de SP vai protestar contra “infelicianos”, diz organizador

São Paulo – A 17ª Parada Gay de São Paulo, que será realizada neste domingo (2), terá “protestos contra os ‘infelicianos’ que estão no poder e contra aqueles que são formadores de opinião”. É o que diz Fernando Quaresma, presidente da APOGLBT (Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo), organizadora da parada.

O evento acontece a partir do meio-dia na avenida Paulista, região central da capital.

O termo usado por Quaresma faz referência ao deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP), atual presidente da CDH (Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara).

“Mas o Feliciano é apenas a ponta do iceberg. Haverá manifestação contra o [pastor Silas], Malafaia, contra o [deputado Jair] Bolsonaro, contra a [ex-atriz e deputada estadual] Myrian Rios, contra a Joelma [da banda Calypso]. Essa última, por exemplo, não ocupa um cargo eletivo, mas é formadora de opinião”, disse Quaresma.

Feliciano colocou na pauta da CDH a discussão do projeto que ficou conhecido como “cura gay”e recebeu o apoio do deputado Bolsonaro (PP-RJ). O pastor Malafaia chegou a comparar homossexuais a criminosos na TV aberta, e Myrian Rios (PSD-RJ) polemizou ao relacionar gays com pedofilia. Já a cantora Joelma se posicionou contra o casamento gay e comparou homossexuais a drogados em recuperação.

“Nosso protesto é contra pessoas que ocupam cargos para os quais não estão capacitadas. O político, quando é eleito, é eleito para representar toda a população, não apenas um grupo”, afirmou Quaresma.

O tema da parada este ano será “Para o armário nunca mais! União e Conscientização na luta contra a homofobia”. O objetivo dos organizadores é lutar contra possíveis retrocessos nos direitos já conquistados pela comunidade LGBT. A manifestação contra figuras públicas que de alguma forma se posicionaram contra os homossexuais será feita no último dos 17 trios elétricos a desfilar pela avenida Paulista.

Homofobia

Embora reconheça que a eleição do pastor Feliciano na CDH e a legalização do casamento gay no Brasil pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) tenham contribuído para a exaltação dos ânimos em torno da discussão dos direitos dos homossexuais, Quaresma afirma que a preocupação com homofobia é constante, não apenas no dia da Parada Gay.

“A homofobia preocupa toda a população, e preocupa 365 dias por ano. Não só na parada. Neste ano o debate está acalorado justamente porque uma pessoa incompetente está no cargo de direção da Comissão de Direitos Humanos”, afirmou.

Segundo Quaresma, após a vitória do casamento gay, a comunidade agora luta pela aprovação do PLC (Projeto de Lei Complementar) 122, de 2006, que inclui crimes contra público LGBT e também contra idosos e pessoas com deficiência na lista de crimes de ódio e delitos de intolerância.

“É uma batalha. Fala-se muito que no Brasil não há preconceito, mas o preconceito aqui é velado”, afirmou o presidente da APOGLBT.

(BOL) 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.