Em RR, 67 mil casas usam fossa séptica

Moradias sem esgoto em Boa Vista
Boa Vista – O tratamento de esgoto é um serviço muito importante para a qualidade de vida da população, mas, em Roraima, 67 mil domicílios usam fossa séptica. Quase 50 mil domicílios no Estado, todos não têm nem rede coletora nem fossa, conforme mostra a Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada na semana passada.

O estudo analisou os anos de 2004 a 2011. Segundo a pesquisa, no ano de 2004, do total de 93.345 domicílios somente 3.701 eram ligados à rede coletora de esgoto. Em 201,1 de 134 mil domicílios, 18 mil dispunham do serviço.

Para o chefe da unidade estadual do IBGE, Vicente de Paulo Joaquim, os dados dão uma ideia de crescimento. “Houve um crescimento das moradias e também das ligações às redes coletoras”, frisou. A evolução nacional de 59,1% para 62,6% no período, aumentando o atendimento em 3,8 milhões de residências, ainda se mostra insuficiente. Conforme a pesquisa, em 2011, quase quatro em cada dez residências não possuíam ligação com a rede, que contemplava apenas 62,6% delas.

Sob esse aspecto, a Região Norte é que enfrenta maior defasagem. Aqui, apenas 576 mil (12,9%) de 4,4 milhões de domicílios estavam diretamente ligados à rede coletora, e outros 320 mil eram fossas sépticas ligadas à rede (somando 20,2%). As demais eram fossas sépticas não ligadas à rede, fossas rudimentares, outras não tinham nada.

As fossas sépticas são câmaras construídas para reter os despejos domésticos ou indústrias, por um período de tempo especificamente estabelecido, de modo a permitir sedimentação dos sólidos e retenção do material graxo contido nos esgotos, transformando-os bioquimicamente em substâncias e compostos mais simples e estáveis.

A bióloga Núbia Abrantes explicou que se as fossas não forem construídas dentro das normas previstas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), elas podem contaminar o solo e lençol freático.

O médico Wirlande da Luz, presidente do Conselho Regional de Medicina de Roraima (CRM-RR), avisa que as pessoas que não dispõem do serviço de rede esgoto devem evitar construir fossa séptica fora dos padrões da ABNT, pois o contato com o esgoto agrava o risco de inúmeras doenças.

Entre as doenças, ele destacou a hepatite A, todos os tipos de verminoses, diarreia bacteriana ou por vírus. “Como prevenção, para as pessoas que não possuem rede coletora de esgoto, que inclui água tratada, o conselho é ferver a água ou usar cloro antes do uso”, ressaltou.

ESGOTO – O esgoto é formado pela água utilizada nas atividades diárias, como lavar a louça, roupas, tomar banho, dar descargas. Além da água servida, o esgoto contém dejetos e, se não receber o tratamento adequado, contamina o meio ambiente e prejudica a saúde pública.

A ausência de coleta e tratamento de esgoto obriga as comunidades a conviverem com seus próprios dejetos, principalmente quando eles são lançados ao ar livre, em fossas, geralmente mal construídas, valas negras ou diretamente nos córregos.

A Folha entrou em contato com a Companhia de Águas e Esgotos de Roraima (Caer) solicitando mais informações sobre o assunto. No final da tarde de ontem, a companhia avisou que os dados estavam em fase de pesquisa, sendo possível ser repassado hoje.

(Por:Folha BV)

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.