MP pede a TCU que investigue compra feita pela Petrobras

Graça Foster

Graça Foster

Amazonianarede com Estadão Conteúdo

Brasília – O Ministério Público apresentou ao Tribunal de Contas da União (TCU) representação contra a Petrobras sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006. O procurador Marinus Marsico encaminhou ao ministro-relator do TCU, José Jorge, pedido para que apure responsabilidade da companhia no negócio. Após meses de investigação, o procurador considerou que houve gestão temerária e prejuízo aos cofres públicos. A presidente Dilma Rousseff presidia o Conselho de Administração da Petrobras na época da aquisição.

Conforme revelou reportagem de VEJA em dezembro, o prejuízo da companhia pode ser de cerca de 1 bilhão de dólares. A representação é o pontapé inicial de um processo formal. “A representação foi encaminhada e saiu como sigilosa, pois contém informações que poderiam ser consideradas de ordem comercial. Mas defendo que não seja confidencial”, disse Marsico.

O processo está tramitando internamente. É possível que o ministro-relator se posicione já na próxima semana. José Jorge pode, por exemplo, apontar em despacho indícios de responsabilidade, pedir novas investigações (diligências) ou abrir para defesa da empresa (contraditório). Caso o ministro aceite o pedido e a área técnica do TCU inicie fiscalização na Petrobras, o resultado do trabalho, com eventual identificação de responsáveis, será julgado em plenário.

A refinaria de Pasadena foi adquirida em 2005 pela Astra/Transcor, uma trading belga da área de energia, por 42,5 milhões de dólares e, posteriormente, vendida à Petrobras em 2006 por 1,18 bilhão de dólares, embora valha cerca de dez vezes menos.

As possíveis concessões à Astra foram feitas em ano eleitoral no Brasil. A belga contava em seus quadros com Alberto Feilhaber, um ex-executivo da Petrobras. O caso também é acompanhado pelo Congresso Nacional e pelo Ministério Público Federal, de onde pode sair futuramente uma representação de ordem criminal. O deputado Antônio Imbassahy (PSDB-BA) questiona a compra, considerando o negócio prejudicial. Ele lembra que a Petrobras pagou 28 vezes mais o valor inicial da empresa.
A refinaria é um dos ativos que a Petrobras pretendia vender no exterior de forma a angariar recursos para o pré-sal brasileiro, mas a venda está temporariamente suspensa. No balanço do quarto trimestre, a Petrobras lançou uma baixa contábil de 464 milhões de reais referente à refinaria, valor que já reconhece como perdido. A companhia agora pretende investir na unidade para melhorar seu preço de mercado antes de retomar as negociações, segundo a presidente Graça Foster informou na coletiva de divulgação do balanço. “Não vamos vender Pasadena ao preço que está”, disse ela. 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.