Monstro protegido

Jimmy no isolamento – Para seguir o que determina a cartilha dos “Direitos Humanos”, o monstro Jimmy Robert, que matou o pai, a tia ,a prima e o cachorrinho da família, com requintes de crueldade, vai ficar numa cela de isolamento. Mas porquê, se esse canalha arquitetou o crime por três semanas, tempo suficiente para se arrepender? Isso só pode ser o Brasil, onde nós aqui fora trabalhamos para dar proteção, cama e três refeições ao dia para este animal. Prisão igual prá ele já. E os Direitos Humanos? Ah, que se danem…

Direitos Humanos – Alguém viu, ouviu falar na presença de representantes dos Direitos Humanos no velório, no enterro ou na residência da família Belota, mutilada por uma ato covarde? Além deste crime, nos outros vários que já aconteceram, se ouviu falar na presença deles? Mas quando um bandido qualquer mantém uma família refém, sob a mira de suas armas eles aparecem rapidamente. São instituições como os Direitos Humanos e o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente (ultrapassado)  que contribuem para o crescimento da criminalidade no Brasil. Já passou da hora da revisão penal neste país.

O país das Leis – O Brasil é um dos países que mais possuem no planeta. A maioria para não ser cumprida: Veja alguns absurdos: ABAIXO A CAMISINHA! Decreto Municipal 82/97 (Bocaiúva do Sul, PR). AEROPORTO ALIENÍGENA Lei Municipal 1840/95 (Barra do Garças, MT). FRUTO PROIBIDO “Lei da Melancia” (Rio Claro, SP). Em 2004, vereadores de São Paulo instituíram o uso de coletes com airbag para os motoboys. Em 1999, na mineira Juiz de Fora, os vereadores sugeriram que os cavalos e burros usassem fraldões. Na década de 90, em Teresina, no Piauí, os vereadores quiseram proibir a criação de abrigos nucleares no município. As três últimas propostas bombásticas não foram aprovadas. Pelo menos.

Código Penal – Todos os dias publicamos matérias da área policial e me espanta ver o número de prisões de marginais aumentando constantemente. Isso é um reflexo da certeza que a bandidagem tem na impunidade e que, logo estarão de volta às ruas. É preciso que se reveja o Código Penal e se institua, por exemplo, o trabalho dentro dos presídio, a obrigação a uma produção mínima diária como forma de garantia da comida, do lazer das visitas íntimas e que se acabe com a tal progressão de pena, que beneficia criminosos. Só não inventaram Leis para beneficiar as famílias das vítimas.

Copa 2014 – A julgar pelo futebol que a Seleção Brasileira vem jogando nos últimos tempos, não dá prá esperar outra coisa na Copa das Confederações e na Copa de 2014, a não ser um fiasco. Mas em questão de estilo dos jogadores, vai ser um show a parte. O que dizer dos cabelos do Neymar. Fazem inveja a qualquer porco-espinho do mundo. E as tatuagens espalhadas pelo corpo dos craques, alguns parece que têm um livro escrito, só que em Árabe, tamanha a confusão de letras. Pelo menos no quesito esquisitice, poderemos ser campeões.

TV paga – Um leitor da coluna comenta: “Essa TV por assinatura é uma grande fraude. Fechei um pacote que oferece mais de 100 canais. Depois de instalado fui notar que tem um monte deles de igreja, outros tantos de televendas, os de filmes só passam coisas repetidas e os de esportes a programação é muito fraca”. É uma verdade. Tem filmes que o telespectador já sabe até as falas dos personagens e olha que o preço da assinatura é bem salgadinho.

Futebol – Um leitor reclamou que só criticamos e não apresentamos soluções para o futebol brasileiro. Tá bom. Aí vão algumas: Proibir a venda de jogadores das categorias de base para o exterior; obrigar, por contrato, a que o jogador profissional atue no mínimo cinco anos no Brasil; extinguir a figura do “empresário”, os direitos do atleta são do clube; banir as torcidas organizadas e ainda manter cursos de reciclagem para árbitros e auxiliares, assim como acabar com a exclusividade de transmissões pela TV. Acho que ajudaria. 

Sérgio Costa

Da Redação 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.