Ibama devolve à liberdade 112 papagaios no Mato Grosso

A Semana do Meio Ambiente foi marcada com mais 112 aves voando livremente em Mato Grosso. Um lote de 60 papagaios vindos do Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres) do Parque Estadual do Tietê/SP e outro lote de 52 papagaios que estavam no Cetas (Centro de Triagem de Animais Silvestres) do Ibama do Rio Grande do Norte foram devolvidos à natureza, em áreas localizadas nos municípios mato-grossenses de Poconé, Reserva do Cabaçal e Tangará da Serra.

Todos os papagaios foram submetidos a exames clínicos para comprovar a sanidade e identificação de sexo. Cada ave recebeu uma anilha como marcação individual e uma pintura vermelha temporária para diferenciar o macho da fêmea durante o período de monitoramento.

As aves que vieram de Natal (RN) foram apreendidas nos últimos anos em ações do Ibama, da Polícia Militar Ambiental e da Polícia Rodoviária Federal. O lote era composto por dois papagaios-campeiros (Amazona ochrocephala) e por 50 papagaios-verdadeiros (Amazona aestiva). Destes últimos, foram levados 34 para a soltura em Tangará da Serra, na Fazenda São Marcelo, onde se localiza a Reserva Particular do Patrimônio Natural Vale do Sepotuba, RPPN mais antiga de Mato Grosso.

O lote de papagaios que vieram do Cras/Parque Estadual do Tietê/SP, composto de 56 papagaios-verdadeiros (Amazona aestiva) e quatro papagaios-do-mangue (Amazona amazonica), compõe um grupo de mais de 300 filhotes apreendidos na divisa de São Paulo e Mato Grosso do Sul há cerca de dois anos. Eles foram entregues ao Cras/Pet para reabilitação e, dos 290 sobreviventes, 140 foram destinados a soltura em Mato Grosso. A metade desta última remessa foi levada para uma área de soltura na fazenda Saber, no município de Reserva do Cabaçal, que possui uma grande área de cerrado intocado às margens do rio Jubinha. A outra metade, juntamente com os 16 que vieram do Rio Grande do Norte e mais dois papagaios-galegos (Alipiopsitta xanthops) que eram mantidos em recinto de reabilitação na Supes/Ibama/MT (Cuiabá), foi levada para uma área de soltura na Pousada Araras, localizada próximo da Transpantaneira, no município de Poconé.

Após um descanso em recintos pré-soltura, todas as aves estavam em boas condições físicas, segundo o analista ambiental e médico veterinário César Soares, responsável pelo Núcleo de Fauna do Ibama/MT, que monitorou a soltura dos psitacídeos.

Projeto ASAS

O Ibama/MT já tem seis áreas de soltura cadastradas no Projeto ASAS (Áreas de Soltura de Animais Silvestres) e outras seis áreas estão com processo tramitando. Como Mato Grosso está numa região de três biomas distintos, Amazônia, Cerrado e Pantanal, e muitas espécies de animais e aves têm ocorrência limitada a uma região, ainda se necessita de áreas de soltura no vale do rio Araguaia e no noroeste do estado. As áreas devem ser afastadas das sedes dos municípios e ter boa cobertura vegetal para que as aves se readaptem tranquilamente à vida livre, reproduzindo e cumprindo seu papel ecológico, como a disseminação de sementes. Proprietários de áreas nessas condições podem entrar em contato com o Ibama através do e-mail [email protected] Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

O superintendente do Ibama/MT, Marcus Keynes, afirma que “a devolução de mais de uma centena de papagaios para a vida livre é motivo para grande comemoração”. Segundo Keynes, “se tivessem permanecido nas mãos de traficantes, nem dez por cento dessas aves estariam vivas”.

Nicélio Silva
Ascom Ibama/MT
foto: Nicélio Silva/Ibama

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.