“Estamos vivendo um caos na saúde indígena no Acre”, diz líder do movimento indígena da Casai

Amazonianarede – A Gazeta do AC

Rio Branco – Após bloquearem a entrada da Casa de Saúde Indígena (a Casai) na quarta-feira, dia 12, para denunciar o descaso em que vivem, os índios realizaram um acordo. Os principais motivos do protesto são a demora no agendamento de consultas e exames, condições precárias de higiene, esgoto a céu aberto e falta de água. A casa de apoio, que suporta apenas 80 pessoas, conta com a presença de 136 índios hoje, de todos os municípios do Acre e até de outros estados.

Segundo Chiquinho Arara, líder do movimento de protesto, há anos que os problemas ocorrem no local. “Manifestamo-nos pelo mau atendimento à saúde dos povos indígenas. A situação já vem se agravando há mais de 2 anos, com problemas relacionados principalmente a consultas e exames no setor externo, que estavam sendo perdidas. Fizemos isso para que o poder público tomasse providências. A estrutura se encontra em péssimo estado, as pessoas ficam no relento. É um total abandono. Quem vem pra cá é porque está doente e precisa de cuidados. Não temos espaço para acomodar todos. Os quartos são quentes e nenhum ventilador funciona, dormimos em um calor insuportável. Quem dorme fora, fica na chuva. Isso é desumano. Estamos vivendo um caos na Saúde Indígena não só em Rio Branco, mas em todos os municípios”.

Antônio Pereira Lira, administrador da Casai, explicou que o local irá passar por uma reforma para sanar os diversos problemas. “Ficou decidido, em reunião com o Ministério Público Federal (MPF), que em 30 dias, os índios irão se mudar para outro prédio provisoriamente, ficando no local de 8 a 10 meses enquanto a Casai passa por reformas. O principal problema é que a casa não suporta tanta gente. Não temos espaço. Iremos fazer uma triagem agora nesta mudança, porque muitos aqui não estão doentes. Um índio vem com a família inteira para cá e isso aqui é uma casa de passagem. Só podemos manter quem precisa de tratamento de saúde”.

Chiquinho explicou que a administração da Casai se esforça para que os problemas sejam solucionados, mas não tem o apoio do distrito. “A administração da Casai depende muito da gestão do chefe do Distrito, o Raimundo Costa. Ele não dá as mínimas condições para que os administradores possam executar um trabalho de acordo com as necessidades. O Antônio Lira tem vontade de fazer as coisas, mas não depende só dele. Todos os administradores pediram demissão porque não têm como ficar num local que se há muito a fazer, mas sem condições. Agora só nos resta aguardar este prazo para que tenhamos um resultado. Deixamos claro que, se não acontecer nada, vamos nos manifestar novamente”.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.