Em resposta à violência, manifestantes preparam maior protesto em São Paulo

Movimento Passe Livre (MPL) ganha força em página de rede social e promete quinto ato contra “injustiças” nesta segunda-feira, no Largo da Batata, zona oeste da capital.

A cidade de São Paulo deve ser palco de novas manifestações nesta segunda-feira (17) contra o aumento das tarifas do transporte público. Usando as redes sociais como catalisador do protesto, o Movimento Passe Livre (MPL) marcou para as 17h, no Largo da Batata, na zona oeste, o quinto encontro. E poderá ser maior do que os anteriores devido ao confronto de quinta-feira (13), onde a força imposta pela Polícia Militar gerou críticas e revolta .

Naquela noite, manifestantes se reuniram no centro para o 4º dia de protestos contra o aumento de R$ 0,20 na passagem de ônibus. APM prendeu mais de 200 pessoas , a maioria antes do protesto começar, por porte de vinagre e outros objetos suspeitos.

Neste domingo, o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, convidou o Movimento Passe Livre para uma reunião às 10h de segunda-feira, data marcada para a quinta passeata contra o reajuste.

“Queremos que os manifestantes exerçam seu papel de protestar e queremos garantir que quem trabalha e estuda e não quer fazer parte protesto possam fazê-lo da melhor forma possível.”

O objetivo do encontro, de acordo com Grella, é conhecer o trajeto proposto pelos estudantes para que seja feito “um ordenamento do trânsito com bloqueio de ruas adjacentes”. O secretário disse ainda que nenhum policial está autorizado a atirar. Questionado sobre a prisão de manifestantes que portavam vinagre para combater os efeitos das bombas de efeito moral, o secretário foi taxativo: “Ninguém vai ser detido por levar vinagre […] o que ocorre é que o policial se depara com o liquido e não sabe do que se trata, por isso houve a detenção de alguns.”

Na sexta-feira, o prefeito Fernando Haddad (PT) declarou que as imagens de quinta sugerem o abuso do poder policial e que a prefeitura já se colocou à disposição de um diálogo com o movimento, desde que os protestos não apresentem atos de vandalismo. Já o governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que os”possíveis abusos serão investigados” .

Novo protesto

Com o título de “Quinto grande ato contra o aumento das passagens!”, o evento criado na rede social Facebook já conta com mais de 230 mil presenças confirmadas. A concentração será realizada na região da Estação Faria Lima e o protesto pode seguir para importantes vias da cidade. Em ações anteriores, as avenidas Brigadeira Faria Lima e Paulista e a marginal Pinheiros foram tomadas pelos manifestantes.

Renato Fel, um dos coordenadores do movimento Mudança Já, que também apoia a ação em São Paulo, garante que a internet tem sido essencial. “Pessoas que nunca conseguiríamos atingir off-line passaram a dividir os mesmos ideais. Virou muito além do que os 0,20 centavos.”

Para Gil Giardelli, especialista em redes sociais e professor das universidades ESPM e FIA-SP, o crescimento dos protestos é consequência do uso das plataformas sociais. Fora da capital paulista, o professor citou que “se sentiu em São Paulo” na última semana. “O fluxo de informações e em tempo real nos colocou ali, na rua, entre polícia e manifestantes.”

Giardelli disse ainda que alguns grupos manifestantes se organizaram pelo smartphones no aplicativo Whatsapp (de mensagem instantânea), criando comandos com 15 a 20 integrantes. “Trocamos as baionetas e armas de guerra pelo Facebook, Twitter, YouTube e Whatsapp. Esses artigos, cada um com suas funções, transformaram jovens em ativistas”.

Outro ponto importante, segundo o especialista, é a nova sociedade formada pela era online. “O Facebook, por exemplo, uniu tribos diferentes e formou uma sociedade rede. O interesse de um passou a ser o de todos”. Ele explicou ainda que as redes sociais derrubaram “filtros” entre o acontecimento e o leitor, mas que a imaturidade dessa sociedade rede dá voz aos mais extremistas.

“Com o compartilhamento de fotos, vídeos e versões ficou mais fácil criar sua própria opinião e responder a isso. Agora o que falta é o crescimento dessa sociedade para que possamos deixar o conceito mais extremo (das manifestações) e promover o diálogo. Entre as ideias opostas, nasce a inovação.”

(iG) 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.