Em depoimento na PF, Renan nega ter recebido propina de esquema de corrupção

Em depoimento na PF, Renan Calheiros, desmente envolvimento em esquema de corrupção
Em depoimento na PF, Renan Calheiros, desmente envolvimento em esquema de corrupção
Em depoimento na PF, Renan Calheiros, desmente envolvimento em esquema de corrupção

Brasilia – O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), negou, em depoimento prestado à Policia Federal (PF) no dia 31 de agosto, ter recebido propina do esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato. A pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Renan responde a inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) junto com o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE).

Na oitiva, o senador considerou absurdas as acusações do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa de que teria tratado de comissionamento sobre contratos da Diretoria de Abastecimento da empresa. O parlamentar disse aos delegados que, se tivesse conhecimento dos fatos, teria “tomado as providências cabíveis”.

Renan negou conhecer o empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, acusado pela PF de ser o operador financeiro do PMDB no esquema. Baiano está preso na carceragem da PF em Curitiba e assinou acordo de delação premiada com os investigadores nesta semana.

Sobre as acusações de Paulo Roberto Costa, o senador disse acreditar que possam ter sido feitas a pedido de alguém, mas ressaltou que não tinha condições de dizer quem poderia ter influenciado o ex-diretor da Petrobras.

Em julho, em depoimento perante o juiz federal Sérgio Moro, o ex-diretor da estatal disse que Renan tinha um “representante” que negociou propina com ele. “O senador Renan Calheiros era um dos que davam sustentação política. Com ele [Renan], não [negociou propina]. Mas ele tinha um representante, um deputado, Aníbal Gomes, que, algumas vezes, negociou comigo. O senador Renan Calheiros nunca participou de nenhuma reunião com empreiteiros, mas o Aníbal Gomes, sim”, declarou Paulo Roberto Costa à época.

Na oitiva, Renan disse que sua relação com Aníbal Gomes era protocolar e que, nos encontros que teve com o deputado, eram tratadas questões partidárias.

Renan informou que conheceu Costa por volta de 2009 ou 2010 em um almoço em sua residência particular, onde também  estavam o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), atual ministro do Turismo. O presidente do Senado afirmou que Aníbal Gomes levou Costa à sua casa, sem agendamento prévio, para pedir apoio para assumir a Diretoria de Exploração da Petrobras. De acordo com Renan, na ocasião, Costa foi informado de que não teria apoio.

“Que não recorda qual dos presentes disse a Paulo Roberto Costa que o pedido de apoio não poderia ser atendido; que o pedido de Paulo Roberto Costa era impraticável, uma vez que ele já ocupava a Diretoria de Abastecimento e também porque a diretoria que ele pleiteava foi uma indicação do PT; e que, além disso, Paulo Roberto Costa era apoiado pelo PP, partido corn o qual o declarante tinha disputas políticas em seu estado natal”, prossegue Renan no depoimento.

À Polícia Federal, no dia 27 de agosto, o deputado Aníbal Gomes declarou que tinha uma relação cordial com Paulo Roberto Costa, que pediu a ele apoio para não ser destituído do cargo, em função de um período em que ficou afastado por motivo de doença. O parlamentar negou ter recebido propina e disse que as declarações de Costa são uma retaliação pelo fato de o PMDB não ter o ter apoiado.

Aos delegados, Gomes também disse que sabe não explicar sua evolução patrimonial desde 2006, que poderia ser justificada pelo contador. “Indagado a respeito de sua evolução patrimonial, se comparadas as declarações de bens apresentadas à Justiça Eleitoral nas anos de 2006, no valor de menos de R$ 300 mil e de 2010, no valor de R$ 6,8 milhões, o declarante afirma que não sabe explicar tal evolução e que pediu a seu contador, conhecido por Tim, que apresentasse uma justificativa para a evolução patrimonial constatada a partir das duas declarações.’

Amazonianarede-EBC

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.