Cristóvão admite voltar ao Vasco com R. Gomes e recusa Palmeiras contra novo desgaste

Cristóvão Borges

Cristóvão Borges

Amazonianarede – UOL Esportes

Rio – Cristóvão Borges completa dois meses longe do Vasco neste sábado. Após entregar o cargo, o técnico procurou descansar e fazer um inventário sobre o período de cobranças, emoções e crescimento profissional. Nos últimos dias, o baiano de 53 anos viu o seu nome voltar com força ao noticiário em razão do iminente acerto do clube de São Januário com Ricardo Gomes para 2013. Embora tenha em mente seguir a carreira, auxiliar o amigo mais uma vez é uma possibilidade admitida pelo treinador.

Com a conhecida serenidade, Cristóvão Borges recebeu a reportagem do UOL Esporte em sua residência. Durante 40 minutos de conversa, explicou os motivos que o fizeram recusar uma proposta do Palmeiras. Também falou sobre o convite informal da CBF para assumir a coordenação das categorias de base, a crise financeira do Vasco, a relação com Felipe e demais assuntos.

No momento, a única expectativa é a de voltar a trabalhar até o próximo mês. Com saudade do futebol, Cristóvão Borges tem a certeza absoluta de que estará em um banco de reservas no ano que vem. Confira a entrevista completa abaixo:

UOL Esporte – O seu objetivo definitivamente é seguir a carreira como treinador ou existe a possibilidade de voltar a auxiliar Ricardo Gomes no Vasco?
Cristóvão Borges – Quero seguir a minha carreira. Inclusive, o Ricardo sempre foi um grande incentivador disso. Infelizmente, aconteceu após o problema dele [AVC sofrido em agosto do ano passado]. A maior felicidade é vê-lo retornar. O futuro depende muito. O futebol não garante 100% em nada. As possibilidades surgem e fazemos. O retorno ao Vasco é uma possibilidade. Mas vai depender de que forma e o interesse de todas as partes. Está aberta a questão. Podemos ter maneiras de trabalhar juntos, mas não esqueço o desejo de seguir carreira. Precisamos ver se é interessante voltar tão rápido e se o Vasco também aprova. São conversas que ainda estão para acontecer.

UOL Esporte – Acha que voltar a ser auxiliar pode ser encarado no mercado como um retrocesso na carreira?
CB – Não vejo dessa forma. Mas também não quero criar expectativas. O Campeonato Brasileiro não acabou e o Vasco ainda vai conversar bastante com o Ricardo. Jamais será um retrocesso trabalharmos juntos independente da forma ou momento no futebol.

UOL Esporte – Você sempre manifesta o desejo de seguir a carreira sozinho. O Palmeiras lhe procurou logo depois que deixou o Vasco. O que aconteceu de fato? Por que não aceitou o desafio de tentar tirar o time da zona de rebaixamento?
CB – O Palmeiras teve interesse e me procurou. Fizeram uma consulta para saber minhas intenções e a possibilidade de firmarmos um acordo. Achei que a saída do Vasco ainda era muito recente. Tive um ano muito duro. Acertar em menos de duas semanas com um time brigando contra o rebaixamento seria ainda mais pesado. Não vi muito sentido, pois também precisava descansar. Entreguei o Vasco no G-4 e não poderia trocar pela situação difícil do Palmeiras. Falo isso com muito respeito pela instituição e a sua grandeza. Não era o momento.

UOL Esporte – E o convite do Andrés Sanchez para assumir o cargo de coordenador das categorias de base da CBF… Já recebeu uma proposta oficial? A possibilidade lhe agrada?
CB – É a primeira vez que falo nisso e nem sequer queria tocar no assunto. Não foi uma coisa oficial ainda. Fui apenas sondado. Disseram que conversaríamos em outro momento. Por enquanto, a situação parou por aí. No começo, fiquei surpreso e conversei com amigos para avaliar a possibilidade. Sei que é uma coisa interessante e importante, mas depende muito do projeto apresentado. Mas, sem dúvida, é uma oportunidade maravilhosa.

UOL Esporte – A preferência é por trabalhar apenas em clubes da série A no próximo ano? E quando espera definir o futuro?
CB – Espero voltar a trabalhar no mês que vem. Quero que aconteça logo, pois é o momento no qual as coisas são refeitas e existe a preparação para a próxima temporada. Meu sentimento diz que alguma coisa boa vai acontecer. A meta é trabalhar em um time da série A, mas não descarto nada. Quero apenas fazer o meu trabalho e ser reconhecido por isso em qualquer lugar.

UOL Esporte – O que causou a queda do Vasco no Campeonato Brasileiro? Um time cheio de expectativas e que enfrenta crises seguidas no final de temporada…
CB – Não dá para separar a dificuldade financeira de tudo o que aconteceu no Vasco. O problema é que não tivemos poder de investimento. Fizemos uma Libertadores surpreendente. O Vasco foi o time mais difícil que o Corinthians enfrentou na trajetória do título. Tinha a certeza de que o campeão sairia daquele duelo nas quartas de final. Conquistaríamos a Libertadores se tivéssemos passado por eles. Mesmo assim, continuamos brigando na frente com os problemas e salários atrasados. Claro que também perdemos jogadores pelos impasses econômicos. Tudo isso interferiu. O nosso time só enfraqueceu, pois não tivemos condições financeiras para mantê-lo forte. Para vencer no futebol é preciso ter grana. O maior exemplo disso é o Fluminense.

UOL Esporte – Então a crise financeira chegou ao vestiário? Fica difícil o jogador esquecer os salários atrasados quando entra em campo?
CB – Isso atrapalha bastante. É um problema que chega muito rápido ao vestiário. Os jogadores começam a trazer reclamações e impasses com a família para o dia a dia. São compras, escola dos filhos, médico… Isso é natural, mas interfere. Já passei por muitas dificuldades na carreira de atleta e treinador. Mas considero o Vasco privilegiado pelo grupo que possui. Eles mostram profissionalismo e resolvem os problemas. Os jogadores precisam receber muitos elogios, pois seguram isso durante muito tempo. Porém, uma hora acontece o desgaste maior e se paga por isso.

UOL Esporte – Tudo isso fez com que você deixasse o comando do Vasco magoado?
CB – Esse período no Vasco só trouxe coisas positivas para a carreira, pois me colocou em uma posição boa de mercado. Recebi uma excelente oportunidade. Tive a ajuda de muitas pessoas e consegui fazer um bom trabalho mesmo com todas as dificuldades. Só fica o sentimento de ver um clube desse tamanho sofrendo bastante com problemas financeiros. Isso é complicado de resolver, mas tenho a certeza de que está próximo de uma melhora. O Vasco vai desatar esse nó e acho que esse momento está perto.

UOL Esporte – Os jogadores seguem com salários e direitos de imagem atrasados. O clube também lhe deve. Isso preocupa?
CB – Não preocupa. O Vasco ainda me deve um pouco. Fizemos um acordo quando saí, mas é uma coisa normal, já que o clube está em um momento difícil e de atraso nos salários.

UOL Esporte – O Felipe elogiou bastante você nos últimos dias, mas sempre reclamava quando não jogava sob o seu comando. O que dizer dessa relação?
CB – A nossa relação sempre foi boa e não mudou. É algo simples no meu entendimento, mas talvez não seja na cabeça dele. A nossa dificuldade era estritamente profissional. Ele sempre achava que podia jogar e está certo. Mas, às vezes, entendia que não era o momento. Ele chegou a reclamar publicamente e isso nunca me causou mágoa, nem nada. Fui jogador e sei como as coisas funcionam. Sempre fui verdadeiro e jamais menti para ele. O Felipe também é assim. Tive outros atritos, mas a relação sempre foi baseada na verdade.

UOL Esporte – Acha que deixou o Vasco querido pelo elenco ou pela maioria dos atletas?
CB – Os jogadores que não estão atuando sempre vão criticar o treinador. Isso é normal no futebol. Mas temos um respeito grande. Os jogadores jamais vão dizer que sou mentiroso e que os enganava. Não faço e me respeitam por isso. O Vasco foi conduzido com esse equilíbrio durante a minha passagem. Sempre trabalhei de forma direta e verdadeira com eles.

UOL Esporte – O que tem feito nesses dois meses afastado do futebol? Acompanhar o Vasco é um dos programas prediletos?
CB – Me afastei um pouco do Vasco até para observar de uma forma melhor. Sabemos das coisas que acontecem e voltei a acompanhar com tudo nos últimos dias. Assim que saí procurei diminuir a adrenalina e ficar próximo da família. Mas pouco tempo depois comecei a estudar bastante futebol. O objetivo é aprimorar o conhecimento e também uma forma de terapia. O Sebastião Rocha (amigo e treinador) tem me ajudado muito. Montamos uma espécie de dupla de estudos e isso me entusiasmou bastante. Sei da importância que um aprimoramento tem para a carreira.

UOL Esporte – Muitos críticos comparam o seu estilo ao do Andrade, técnico campeão brasileiro pelo Flamengo em 2009, mas que não conseguiu alavancar a carreira após deixar a Gávea. Teme algo semelhante até por essa possibilidade de voltar a ser auxiliar?
CB – Não temo sumir do futebol. Mas também estou muito atento para que isso não aconteça. Estou estudando e fazendo avaliações de tudo o que fiz na carreira até agora. Busco melhorar. É preciso evoluir sempre. E como estou começando agora não posso relaxar. A passagem pelo Vasco me deu bagagem. Estou me preparando cada vez mais para seguir forte.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.