Cresce mercado de venda ilegal de Viagra

Na capital paulista é comum encontrar anúncios que mostram que esse tipo de medicamento vive em promoção
Na capital paulista é comum encontrar anúncios que mostram que esse tipo de medicamento vive em promoção
Na capital paulista é comum encontrar anúncios que mostram que esse tipo de medicamento vive em promoção

O aumento da procura por remédios contra disfunção erétil fez surgir um mercado clandestino desses medicamentos em diversas cidades do Brasil, como São Paulo. A reportagem do Jornal da Band encontrou, na região central da capital paulista, muita gente vendendo o medicamento, comercializado nas ruas sem nenhuma garantia de procedência.  

Em 2014, foram comercializadas mais de 5 milhões de pílulas de Viagra no Brasil, sem contar a venda dos genéricos e similares.

No Centro de São Paulo é comum encontrar anúncios que mostram que esse tipo de medicamento vive em promoção. Em um desses, um comprimido que custava R$ 20 sai por R$ 14.


Consumo equivocado

Segundo pesquisas, cerca de 50% dos homens brasileiros não estão satisfeitos com a ereção. Além disso, um em cada 100 homens falha completamente aos 25 anos de idade.

Por isso, é cada vez maior o número de jovens tomando, sem nenhuma necessidade, remédios para “turbinar a ereção”. Além dos efeitos colaterais, o uso inadequado desses medicamentos pode abalar a autoconfiança e afetar a sexualidade.

O azulzinho, como foi apelidado, foi descoberto por acaso, durante testes para criar um remédio para aliviar a angina, uma dor no peito. Testes com mais de 23 mil homens com disfunção erétil confirmaram a eficácia do Viagra, que chegou ao mercado brasileiro há 17 anos.

Os jovens costumam esquecer que o remédio deve ser usado apenas por quem tem problemas de ereção e que a combinação com medicamentos para o coração pode ser fatal. Os efeitos colaterais incluem dor de cabeça, rosto vermelho, nariz entupido e problemas de visão.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.