Carlos Bianchi x Tite: confronto de carrascos na Bombonera

Buenos Aires – Técnico do Boca Juniors nunca foi eliminado por um time brasileiro na Libertadores; do outro lado, treinador corintiano também não sabe o que é cair para um argentino…

Orion x Cássio? Riquelme x Danilo? Martínez x Guerrero? Que nada! O grande duelo desta quarta-feira entre Boca Juniors (ARG) e Corinthians, na Bombonera, em Buenos Aires, pelas oitavas de final da Copa Libertadores, poderá ser visto no banco de reservas: Carlos Bianchi x Tite.

Tido como maior treinador da história do Boca, Bianchi, que retornou ao time no fim de 2012, nunca foi eliminado por times brasileiros na história da competição sul-americana.

Aos 63 anos, o veterano treinador já teve seis confrontos de mata-mata com equipes do Brasil no torneio. O primeiro deles aconteceu em 1994. Sob o comando do Vélez Sarsfield (ARG), Bianchi sagrou-se campeão em cima do São Paulo nos pênaltis.

Em 2000, já no Boca Juniors (ARG), o técnico hermano voltou a encontrar uma equipe brasileira, e mais uma vez na final. Diante do Palmeiras, o time argentino também conquistou o caneco após levar a melhor nas cobranças de pênaltis.

No ano seguinte, Bianchi teve dois brasileiros pela frente na fase final. Nas quartas, a vítima foi o Vasco (vitórias por 3 a 0 e 1 a 0). Já na semifinal, em novo confronto com o Palmeiras, os argentinos levaram a melhor mais uma vez. E, novamente, nas decisões de pênaltis.

Contra o Paysandu, em 2003, a queda de Carlos Biachi nas oitavas de final bateu na trave. Após derrota por 1 a 0 na Bombonera, a equipe argentina conseguir reverter a situação com o triunfo por 4 a 2 no Mangueirão.

Embalados, os hermanos enfrentaram o Santos na finalíssima. Com o ex-corintiano Carlitos Tevez em alta, o time venceu as duas partidas (2 a 0 e 3 a 1), ganhou a taça e, de quebra, brecou a boa fase de Robinho na Vila Belmiro.

Se Carlos Bianchi está invicto contra os brasileiros na história da Libertadores, Tite não deixa por menos. Apesar do retrospecto mais “tímido”, o técnico corintiano também nunca foi eliminado por um time argentino na competição.

Em 2002, sob o comando do Grêmio (campeão da Copa do Brasil em 2001), o comandante gaúcho atropelou o River Plate (ARG) nas oitavas de final com duas vitórias: 2 a 1 (e 4 a 0).

Já em 2012, Tite conquistou o primeiro título internacional pelo Corinthians justamente contra o adversário desta quarta-feira. Após empatar em 1 a 1 na Bombonera, o Timão venceu por 2 a 0 no Pacaembu, com gols de Sheik, e conquistou a tão sonhada Libertadores.

CARLOS BIANCHI x BRASILEIROS – LIBERTADORES
1994 – Vélez Sarsfield 1 x 0 São Paulo (final)
1994 – São Paulo 1 (3) x (5) 0 Vélez Sarsfield (final)
2000 – Boca Juniors 2 x 2 Palmeiras (final)
2000 – Palmeiras 0 (2) x 0 (4) Boca Juniors (final)
2001 – Vasco 0 x 1 Boca Juniors (quartas de final)
2001 – Boca Juniors 3 x 0 Vasco (quartas de final)
2001 – Boca Juniors 2 x 2 Palmeiras (semifinal)
2001 – Palmeiras 2 (2) x 2 (3) Boca Juniors (semifinal)
2003 – Boca Juniors 0 x 1 Paysandu (oitavas de final)
2003 – Paysandu 2 x 4 Boca Juniors (oitavas de final)
2003 – Boca Juniors 2 x 0 Santos (final)
2003 – Santos 1 x 3 Boca Juniors (final)
TITE x ARGENTINOS – LIBERTADORES
2002 – River Plate 1 x 2 Grêmio (oitavas de final)
2002 – Grêmio 4 x 0 River Plate (oitavas de final)
2012 – Boca Juniors 1 x 1 Corinthians (final)
2012 – Corinthians 2 x 0 Boca Juniors (final)

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.